Blogs da Shopify

Como a Nerdwax Construiu um Negócio Milionário

Nerdwax Produto Milionário

 

Don Hejny é o criador da Nerdwax, um composto de ingredientes naturais e orgânicos à base de cera de abelhas especialmente formulado para manter seus óculos ajustados no nariz.

Descubra como (e por quê) ele recusou 2 ofertas após participar do programa Shark Tank, mas mesmo assim conseguiu construir um negócio milionário.

Neste episódio, discutiremos:

  • Como finalmente tomar uma atitude quanto ao seu negócio ou ideia de produto
  • Como fazer engenharia reversa da vida que você deseja
  • A faixa de preços ideal para o Kickstarter

Ouça abaixo o Shopify Masters...

 

Notas do programa:

Transcrição

Felix: Hoje, estou com Don Hejny, da Nerdwax.com, N-E-R-D-W-A-X ponto com. A Nerdwax é um composto de ingredientes naturais e orgânicos à base de cera de abelhas especialmente formulado para manter seus óculos ajustados no nariz. Ela foi inaugurada em 2014 e fica localizada em Nashville, Tennessee. Bem-vindo, Don.

Don: Muito obrigado. Cara, você pegou nosso slogan. Eu nem precisei fazer isso. Incrível.

Felix: Nós fizemos nossas pesquisas sobre a empresa, felizmente. Estou muito animado de tê-lo aqui. Acho que há muitas coisas para falarmos, portanto, vamos direto ao assunto. Conte-nos um pouco mais sobre sua loja e o produto que você vende.

Don: Beleza. A Nerdwax é basicamente uma cera 100% natural, como você disse, que mantém seus óculos no lugar. Há cerca de cinco anos, eu fazia turnês como engenheiro de som e montava grandes espetáculos ao ar livre, trabalhando principalmente com artistas country, pois somos de Nashville. Havia vezes em que eu estava fora, em algum festival de verão ou algo assim. Eu olhava para baixo, e meus óculos literalmente caíam do meu rosto, devido ao meu suor. Era nojento. Eu experimentei diversos produtos do mercado, como tiras, fitas e presilhas, mas nada realmente funcionou.

Eu estava em um show no Texas, lembro-me exatamente do dia em que tive a ideia. Estávamos lá, e a artista para quem eu trabalhava estava no palco. Ela estava com enormes óculos de estilo aviador. Eles não paravam de escorregar do nariz dela, e ela tinha que parar de tocar o violão para arrumá-los no rosto. Eu estava tão distraído e pensei: “É preciso haver uma solução para isso, algo que a pessoa no palco possa usar e não ficar envergonhada, como uma tira ou presilha. É óbvio que haverá algo a mais nos seus óculos.”

Eu cresci em meio aos esportes. Os surfistas usam parafina para manter o atrito das pranchas na água. Pensei: “Cara, se eu pudesse criar algo como uma parafina para os óculos, seria muito legal”. Ela seria invisível. Você não veria. Não seria como os pads, que precisam ser cortados no formato certo. Ela serviria com todos os tipos de óculos. E continuei: “Aposto que poderia criar algo assim”. Esse foi o começo do processo. Eu fui para casa. E falei para minha esposa: “Baby, você não vai acreditar na ideia que eu tive”. Ela dizia: “Beleza, acreditarei nisso quando o vir”. Eu tenho ideias o tempo todo. Não acho que ela me levou a sério até que caixas de cera e tubos apareceram na entrada da nossa casa.

Comecei a brincar com aquilo. Eu estava na estrada. E o levava comigo. Experimentava por conta própria. Distribuía para amigos e familiares. As pessoas começaram a perguntar onde poderiam comprá-lo. Eu dizia: “Cara, acho que temos um negócio aqui”. Foi aí que todo o processo começou.

Experimentamos uma enorme mudança de vida enquanto eu estava na estrada. Eu passava cerca de 250 dias do ano na estrada e pensava: “Estou muito mal. Tenho uma esposa e três filhos. Quero ficar mais em casa. Como posso mudar e sair da estrada?” Enquanto eu pensava nisso, acabei perdendo meu emprego. Em um período de duas semanas, perdi meu emprego. Minha esposa quebrou o tornozelo dela, nossos dois carros pifaram, e nosso locatário disse que não renovaria nosso aluguel – portanto, teríamos que sair de lá. A vida basicamente me empurrou para um canto. Eu disse: “Eu poderia arrumar outro emprego na estrada, mas vou usar esta oportunidade e este ponto crucial para mudar tudo e fazer algo diferente”.

Acabei conseguindo dois empregos na cidade, em Nashville. Eu trabalhava 80 horas por semana. Interrompi a Nerdwax porque estava completamente sobrecarregado. Demorou dois anos para eu chegar em um momento no qual pensei: “Atingi um ponto em que tenho alguma folga”. Dei uma olhada ao meu redor, e sou um grande fã disso que você tem aí. Nós não tínhamos muito dinheiro. Não sabíamos de ninguém que pudesse investir no negócio. Pensei: “Vamos para o Kickstarter. Veremos o que a comunidade do Kickstarter tem a dizer sobre isso, e se conseguimos obter algum apoio”. Esse foi o empurrão inicial em direção ao Kickstarter.

Inauguramos nossa campanha no Kickstarter em uma meia-noite de abril de 2014. Alguns segundos após o lançamento, conseguimos nosso primeiro apoiador. Pensei: “Isso é insano”. Eu planejei todas as nossas redes sociais para fazer o lançamento na manhã seguinte, às 8h, e algum cara de Cingapura, ou Taiwan, está mexendo no computador e visualiza meu projeto. Ele pensa: “Bom, vou apoiar isso com 10 dólares”. Era uma coisa impressionante. Eu imaginei: “Nossa, tem um monte de gente do outro lado do mundo que adora minha ideia e quer que eu siga em frente”. Quando acordamos, no dia seguinte, já havíamos levantado US$ 1.700 da nossa meta de US$ 5.000. Conseguimos o financiamento completo na hora do almoço do primeiro dia da campanha. No final dela, levantamos US$ 60.000. Isso realmente nos empurrou para dentro do negócio.

Antes disso, eu nem imaginava que as coisas deslanchariam da forma como aconteceu. Pensei que iríamos tentar o Kickstarter. Nós faríamos nossa primeira tentativa e teríamos que continuar indo às pequenas óticas da área, construindo nossa marca regionalmente. Era para isso que eu estava preparado. Quando conquistamos esse enorme sucesso internacional com a Nerdwax (e sei que US$ 60.000 em vendas não são tanta coisa), passamos a enviar tubos para Taiwan, Malásia, Cingapura e Austrália. Eu pensei: “Quer saber? Existe demanda para isso. Tenho que me esforçar mais”. Eu deixei meu emprego, pois havia adquirido um trabalho em tempo integral. Pedi demissão, arrumei um emprego de meio período e foquei na Nerdwax. Sei que fiz um discurso enorme. Desculpe-me. Essa é a história da Nerdwax.

Felix: Acho que foi um ótimo resumo. Vamos nos aprofundar nas diferentes partes da sua história. Começando pela ideia. Você mencionou que costuma ter novas ideias, e acho que você é que nem os outros ouvintes, quando temos uma ideia e não podemos esperar a hora de compartilhá-la com nosso melhor amigo ou com quem gostamos. Você tinha um histórico de correr atrás de outros negócios, lançar outros produtos, ou apenas tinha ideias sem parar?

Don: Absolutamente, eu nunca tinha feito nada oficial. Eu era o rei das ideias iniciais e da não conclusão delas. É como o cara que possui uma garagem cheia de cartões de visita. Esse era eu. Você abraça a ideia, mas percebe que sua execução será muito mais difícil – então, acaba abandonando-a.

Tem uma cena, em nosso vídeo do Kickstarter, em que minha caixa de Nerdwax, na qual coloquei tudo, aparece em nossa garagem. Eu deixei ela no topo de todas as outras ideias fracassadas que tive. Eu realmente considerei essa cena como algo muito significativo para mim, dizendo: “Hey, essa é a ideia que vou concluir. Vou levá-la e também vou concluí-la com qualidade”. Seja o que for que isso signifique. Ainda não sei o que significa. Vou levá-la até que sua caminhada esteja completa, e sei que coloquei tudo o que podia nisso.

Quanto ao histórico de negócios, eu era um engenheiro de som que fazia turnês, ou seja, nada a ver com a inauguração de uma empresa própria – mas tudo a ver com a resolução de problemas. O que eu aprendi ao ser um engenheiro de som e corrigir problemas de fluxo de sinais é que você pode assumir qualquer problema complexo. Você pode assumir tudo aquilo sobre o que deseja aprender, e pode consertá-lo. É possível reduzi-lo em componentes individuais, analisar tudo no nível granular e dizer: “Aqui está o problema. Aqui está o desafio. Eis a solução para isso”. Essa habilidade, creio eu, foi fundamental à minha capacidade de conquistar o sucesso que tivemos até agora com a Nerdwax.

Felix: A parte em que você disse sobre como decidiu que esse era o projeto, esse era o produto, essa era a ideia que se tornará realidade... Trata-se de um tema comum que eu ouvi de outros empreendedores de sucesso, que disseram que a única vez que começaram a ter sucesso foi quando firmaram esse compromisso e disseram: “Vou assumir essa ideia, mesmo que ela não seja perfeita, mesmo que eu não saiba como fazer isso. Apenas irei me comprometer a fazê-la funcionar, até que eu vá à falência ou fique desabrigado”. Basicamente, eles disseram que se deve levar a ideia até o final e descobrir se ela dará certo ou não. Como você tem esse histórico de imaginar novas ideias (como disse, você era o cara das ideias, possuía uma garagem cheia delas, mas não corria atrás de nenhuma), o que fez a diferença desta vez – ou como você quebrou esse ciclo de simplesmente ter uma ideia, mas não levá-la até o final?

Don: Na verdade, é bastante engraçado que a gente esteja falando disso em um podcast, pois é meio autorreferente. Depois do segundo ano em que já tinha deixado a estrada, eu estava trabalhando para Dave Ramsey como produtor do EntreLeadership Podcast. Eu produzia o podcast para Dave Ramsey, e nós éramos quatro microempreendedores que destrinchavam a vida de líderes mundiais. Nós entrevistamos Seth Godin e Mark Cuban. Falamos com Pat Lencioni e com diversas outras ótimas pessoas e empresários.

Então, eu estava observando esses pequenos empresários que faziam parte da comunidade da EntreLeadership. Eu percebi que o fio condutor entre todos eles não era sua extrema inteligência – alguns deles realmente o eram. Também não se tratava do enorme talento deles, o que alguns também eram. O que todos eles tinham em comum era a decisão de seguir em frente. Eles prosseguiram, e fizeram isso tantas vezes, falhando de inúmeras formas, que uma das opções acabou decolando. Acredito que esse tenha sido o fio condutor.

Eu percebi que você não pode ter medo do fracasso. A natureza de se estabelecer uma meta... Se você colocar uma meta no gelo do rinque de patinação, não conseguirá atingi-la. Nem mesmo Wayne Gretzky acerta a meta sempre. A simples natureza de se estabelecer uma meta significa que você irá fracassar. Se você não falhar, não está definindo uma meta suficientemente difícil. É por isso que o gol do jogo de hóquei não possui a largura inteira do rinque. É preciso definir metas desafiadoras. Quando elas o são, cria-se um valor. Ela se torna um jogo. Ela se transforma em algo desafiador, o qual você pode conquistar. A beleza em atingir essa meta existe apenas por causa do desafio e da quantidade de vezes que você fracassará.

Acabei percebendo que criei desculpas para meus fracassos anteriores. Eu sempre disse: “Não possuo os recursos. Não tenho tempo. Não estou pronto para isso na minha vida. Isso está no meu caminho. Aquilo está no meu caminho”. Em vez de olhar e afirmar: “Não, o motivo do fracasso disso sou eu”. Se você está a postos na linha de lance livre, arremessa a bola na cesta e erra o alvo, não adianta nada dizer que seus cadarços estavam desamarrados. Você deve dizer: “Errei o alvo. Preciso dar dois passos à esquerda e tentar de novo”. Se você não criar erros precisos, se não admitir seus fracassos com sinceridade, nunca se tornará melhor – e foi isso que eu percebi, que tenho que ser sincero comigo mesmo, e notei ainda que o motivo pelo qual eu não tinha sido bem-sucedido é que não havia definido o sucesso da forma correta. Para mim, sucesso era uma meta alcançada. Isso significava que, independentemente da meta, assim que conquistá-la, você terá sido bem-sucedido.

Acredito que muitas pessoas, nos negócios e na vida, conquistaram coisas incríveis. Então, nós as observamos e pensamos: “Cara, eles são tão bem-sucedidos”. Internamente, essas pessoas se sentem como completos fracassados. Muitas vezes, o motivo é que elas não definiram o que é o sucesso. Não estabeleceram essa meta. As coisas que conquistaram não são muito valiosas para elas.

Percebi que, na minha própria vida, quando eu trabalhava na estrada, estava envolvido com shows pelos quais as pessoas fariam qualquer coisa. Havia milhares de pessoas na fila para o meu show, mas eu não estava feliz ali, pois essa nunca foi minha meta. Eu nunca havia decidido ser um engenheiro de som, um engenheiro de monitor ou um tour manager na estrada. Esse nunca foi meu sonho ou minha meta. Eu tinha essa condição excepcional. Ganhava um bom dinheiro, mas estava infeliz por dentro – e isso acontecia porque eu não tinha determinado aquilo para mim mesmo.

Todo esse caminho de perceber as coisas, de que precisava retomar o controle da minha vida... Eu tinha que tomar algumas decisões. Não devia pensar naquilo que eu gostaria ou em como seria a plataforma ideal para eu concretizar meu negócio. Precisava decidir seguir em frente hoje mesmo, admitindo que eu fracassaria algumas vezes – e aceitar isso, pois, caso contrário, nunca me aperfeiçoarei e nunca realizarei nada.

Enquanto eu destrinchava a vida desses líderes mundiais, pensava: “Cara, a grande diferença entre mim e Mark Cuban, ou entre mim e Seth Godin, é que eles seguiram em frente. Eles foram lá e fizeram. Eu estou aqui sem fazer nada”. Acho que isso é o principal. O sucesso não está garantido.

Todo mundo diz: “Siga seus sonhos”. Se você vir a Taylor Swift no palco do MTV Awards, ela fala: “Para todos os adolescentes: sigam em frente”. Bem, eu moro em Nashville. Eu vejo todas as Taylors Swifts que não alcançam o sucesso, mas que são igualmente talentosas e lindas, apesar de não atingir o mesmo patamar. Você não pode se basear nas pessoas que já são incrivelmente bem-sucedidas.

Nem todos serão um Mark Zuckerberg, mas, se você definir o sucesso como meta a ser alcançada, e se seguir em frente, será possível atingir essa meta ou qualquer outra que seja, para todos que estiverem ouvindo. Apenas vá em frente, mas certifique-se de que aquilo seja para você. Tenha certeza de que não seja algo que você sinta que seja parecido com esse lance de rock star. Esteja certo de que seja algo para você, e que esse estilo de vida o faça feliz.

Felix: Acho que você tem razão sobre como, caso a gente não defina a meta exata, talvez nunca possamos ser felizes, pois chegaremos a conquistar muitas coisas, as quais as pessoas olham e pensam: “Uau, esse cara é um sucesso. Ele fez todas essas coisas incríveis”. Por dentro, você não se sente assim. Você acredita que essa também é uma oportunidade, creio eu, para se ter gratidão? O que acha disso? Acho que esse é o outro lado da moeda, sermos gratos pelo sucesso alcançado, mesmo que não o tenhamos definido assim, como meta principal. O que você pensa?

Don: Absolutamente, 100%. Acontece diariamente. Se você seguir em frente, o que acaba percebendo, como empreendedor... Eu fui realmente abençoado por estar ao redor de muitos empreendedores quando trabalhava na EntreLeadership, percebendo que eles têm os mesmos pontos em comum. Todos eles têm as mesmas dificuldades, e você também as terá. Quando você define fazer algo, seja isso criativo ou mais voltado ao lado dos negócios, terá que batalhar, e as coisas ficarão difíceis. Nessa hora, sua atitude e percepção definirão sua capacidade de seguir em frente.

Gratidão é um dos principais aspectos que pode mudar nosso pensamento. É a única forma pela qual podemos olhar nossa perspectiva e se realinhar para conseguir seguir em frente. Todos os dias, há momentos em que eu penso: “Cara, sou um gênio, consegui fazer isso”. Depois de dois minutos, recebo um e-mail. E penso: “Por que eu faço isso? Sou muito ruim”. É assim. Quando você é um empreendedor e está se esforçando ou fazendo um trabalho criativo, talvez fique vulnerável e terá essas mudanças de humor. A maioria das pessoas não vê isso porque é uma coisa de bastidores. É por isso que estes podcasts são tão legais, porque, se eu fico vulnerável, felizmente, algum ouvinte poderá pegar algo que eu disse, mesmo que tenha sido algo mínimo, e aplicar a si mesmo – ajudando outras pessoas mais à frente.

Eu olho para mim e tempo todo e, no meio disso, consigo olhar ao meu redor e notar os outros empresários em situações 5x ou 10x melhores. Posso pensar: “Cara, seria tão legal ser eles”. Você deve se lembrar de que eles também possuem 5x ou 10x mais problemas. Eles têm problemas ou desafios diferentes dos meus.

Estamos prestes a deixar a cidade por algumas semanas para sair de férias em família. Quando eu estava na estrada, não queria saber de férias. Nós nos casamos, e minha esposa ficou grávida logo em seguida. Dez anos depois, eu olho e vejo que nunca tirei férias. Trabalhei mais de 250 dias por ano, longe da família, na estrada. Percebi que não podia fazer isso. Nesta sexta-feira, quando partiremos para as férias, ficaremos duas semanas fora, mas poderei trabalhar no meu negócio. Ainda poderei trabalhar 100% durante as manhãs e sair à tarde. Posso passar tempo com minha família. Tenho que me lembrar, nos momentos de dificuldade, que posso fazer algo que milhões de pessoas adorariam poder fazer. Seja grato por isso e desfrute os momentos de sucesso nos quais você alcançou uma meta. Uma das minhas metas ao inaugurar a empresa era conseguir passar mais tempo com minha família.

Nas próximas duas semanas, enquanto estivermos aproveitando, permanecerei constantemente me lembrando disso. É por isso que eu trabalho. Daqui a dois meses, haverá um trabalho enorme, e eu estarei presente. Então, terei que me lembrar disto: “Hey, esta é a época em que trabalhamos duro. É agora que devemos apertar o cinto”. Isso servirá para eu me lembrar de que há as épocas de vendas e as épocas de colher os frutos.

Felix: Acho que é uma ótima perspectiva. Uma coisa que eu... Uma mudança de mentalidade, para ser mais grato com aquilo que se tem, deve incluir a alteração da forma como falamos conosco internamente. Uma grande forma de se fazer isso é apenas... Acho que, em muitos dos nossos dias, principalmente como empreendedores e pessoas que trabalham arduamente, começamos a criar conversas mentais sobre o que é preciso ser feito, o que não deve ser feito, o que deve ser lançado, o que deve ser escrito no blog. Apenas mude esse formato e diga: “Eu posso” ou “Eu posso trabalhar nisso. Eu posso escrever esse blog. Eu posso fazer essas coisas, pois nem todos têm a oportunidade de fazê-las”. Mesmo que seja considerado trabalho, você ainda poderá estar em uma posição altamente invejada, creio eu, embora esteja realizando todas essas tarefas.

Don: Absolutamente.

Felix: Parece que você conseguiu fazer uma autoanálise muito objetiva e imparcial, e acho que é a ela que está atribuindo seu sucesso recente, pois tem conseguido fazer isso. Sempre foi fácil para você se olhar dessa forma objetiva, ou como você adquiriu essa habilidade e vulnerabilidade de olhar a si mesmo de modo tão objetivo?

Don: Cara, essa é uma ótima pergunta. Eu não tinha pensado nisso. Eu sempre fiz isso. Desde que posso me lembrar, sentia que havia algo que eu devia fazer e sempre achava que estava seguindo o fluxo. Não sei de onde isso vem. Não sei por que olhar a vida dessa forma objetiva é tão intrínseco em mim. Isso sempre foi assim.

Felix: Acho que é um desses atributos que define, perdão, ajuda a formar um empreendedor, alguém que sente internamente o dever de fazer certas coisas para alcançar suas metas. Não estou surpreso que você sempre tenha se sentido assim.

Um pouco antes, você falou sobre como, no seu trabalho e carreira anteriores, conseguiu solucionar problemas e analisar as coisas em detalhes, sempre que queria aprender algo. Pode nos contar um pouco mais sobre isso? Como você faria, digamos, caso um empreendedor solo precise aprender tantas coisas diferentes para lançar seu negócio e divulgá-lo, sendo que ele está utilizando um canal de marketing ou algo semelhante que nunca usou antes? Como você lidaria com isso em alto nível? Como faria para destrinchar uma nova habilidade que deve ser aprendida para administrar seu negócio?

Don: Google. Sei que isso é meio patético. Cara, temos tantos recursos na ponta dos dedos atualmente. É incrível a quantidade... Praticamente não há desculpas para você não fazer suas coisas hoje em dia, devido à internet, à nossa conexão com as pessoas, à possibilidade de acessar qualquer tipo de nicho. Você pode encontrar pessoas para qualquer coisa que queira fazer. Se não puder, siga para algo diferente, pois sempre há algo para alguém. Eu observo os produtos vendidos online. Penso: “Nem consigo acreditar que alguém venda isso”, mas existe um mercado, pois a internet nos deu a capacidade de, como Seth Godin fala, sermos estranhos e abraçar isso – e, assim, encontrarmos uns aos outros online.

Quanto à resolução de problemas, ao fato de tentar encontrar as coisas, o YouTube é um ótimo recurso, obviamente. Acho que o podcast tem sido um dos melhores recursos para mim. Enquanto trabalhava com Dave Ramsey, o EntreLeadership Podcast foi excelente. Conferi a biblioteca antiga novamente e encontrei algumas pessoas. O podcast de Tim Ferriss tem sido um sucesso. Sei que é muito popular. É bastante difícil ouvi-lo, além de ser muito longo, mas sempre absorvo informações com eles.

Para ser sincero, não sou um leitor voraz. Quando eu produzia o EntreLeadership Podcast, tinha que ler milhares de livros de negócios. Ainda aplico aquelas lições em minha vida. Enquanto lia esses livros, percebi que é possível ler o primeiro e último parágrafos de cada capítulo para entendê-lo perfeitamente. Geralmente, pela forma como são escritos, os livros de negócios dão a ideia logo no início, preenchem o meio e resumem a ideia no final. Basicamente, é possível fazer isso e ler qualquer livro. Não estou incentivando as pessoas a fazer isso, pois você poderá perder alguma explicação, analogia ou metáfora que poderá desencadear esse pensamento em você. Caso tenha pouco tempo disponível e queira fazer isso, existem websites, como o Executive Summary, que poderão ajudá-lo.

Acho que o mais importante é identificar as pessoas nas quais você pode se inspirar e pensar: “Cara, esse estilo de vida é o que eu desejo para mim”. Na minha experiência, observando Seth Godin e vendo-o construir suas coisas... Ele é um lobo solitário. Ele trabalha no seu negócio por conta própria, e eu me identifico com isso. Até hoje, nossa empresa consiste apenas de minha mulher e eu. Nós fazemos tudo. Contratamos nossos funcionários independentes e vendemos através da Amazon, mas fazemos todas as nossas filmagens. E toda a fabricação. Eu projeto a maior parte dos nossos produtos. Fazemos muito disso.

Observei pessoas como Tim Ferriss ou Seth Godin e tentei identificar outras... Casey Neistat é uma dessas pessoas de que passei a gostar bastante recentemente, pois ele conseguiu construiu seu negócio individualmente por um longo tempo. Agora, ele está aprendendo as habilidades para formar uma equipe maior e se cercar de cada vez mais gente. Acredito que identificar aqueles indivíduos que fazem você pensar: “Cara, essas pessoas sabem das coisas”, e começar a destrinchar isso sabendo que, sempre que você vê algo online, seja um post de Instagram ou Facebook, está vendo aquilo que alguém deseja que você veja. A tendência, enquanto fazemos isso, é olharmos para a vida delas e fazer uma comparação. E pensar: “Cara, não cheguei lá”. Você não chegou lá, e provavelmente eles também não. Eles talvez não estejam no lugar que você pensa. Lembre-se de que todo mundo é humano. Eles provavelmente também têm problemas.

Se você tiver a oportunidade de ouvir um podcast como o de Tim Ferriss, frequentemente absorverá essas pequenas informações. Você pega os detalhes que escapam quando eles afirmam: “Hey, essa é uma das dificuldades da minha vida pessoal”. Você pode ajudar a identificá-las através disso, o que lhe fornecerá uma base para seu ponto de referência.

Felix: Acho que minha terminologia, ou frase preferida, quando estamos prestando atenção ao portfólio online das pessoas, seja algum tipo de destaque, e não os dias e noites de esforços para se chegar onde está. Você está dizendo que é isso que eles querem que você veja. Obviamente, eles farão uma curadoria. Ninguém quer remover suas falhas de forma tão explícita. Acho que isso é algo importante de se lembrar.

Gosto dessa sua ideia de encontrar as pessoas cujas vidas você deseja viver ou imitar, pois nunca ouvi ninguém falar nisso antes. Faz muito sentido, pois muitos empreendedores, creio eu, estão começando. E ouvindo este podcast. Eles querem perseguir uma ideia, pois desejam um estilo de vida específico ou querem deixar um legado, ou melhor, fazer alguma diferença. Quando você identifica essa pessoa ou essa vida que deseja viver, como você faz a respeito da engenharia reversa? Como você realiza isso ou começa a fazer progresso na questão de viver esse tipo de vida?

Don: Essa é ótima. Para mim, sempre teve a ver com consumir o máximo de conteúdo possível. O truque é que, dentro disso, você deve se lembrar... Isso é algo dos negócios que observamos e queremos poder industrializar, inserir o carimbo e copiar. A verdade é que temos impressões digitais por um motivo. Somos pessoas únicas em um universo de expansão e caos. Nossa própria existência significa que somos únicos. Cada uma de nossas respirações altera a estrutura do universo, e lembrar-se disso enquanto vivemos... Não podemos copiar... Não serei Seth Godin, Casey Neistat ou Tim Ferriss, ou qualquer uma dessas pessoas mencionadas. Serei apenas eu, mas posso olhar para as lições que aprendi. Posso observar a sabedoria deles e aprender com ela. Então, poderei aplicar tudo isso a quem sou.

Acredito que, sempre que você está começando algo pela primeira vez, quando começa a copiar alguém, será visto como um imitador, no início. Tudo o que fizer será parecido com alguma pessoa, ou soará como ela. Enquanto atravessa essa fase, você começa a perceber sua voz e sua própria forma de fazer as coisas. Se toda a sua vida estiver nessa fase inicial de imitação, não fique parado nela. Faça o que deve ser feito. Siga em frente.

Às vezes, começar é a pior parte. Para mim, observar todas aquelas vidas e pensar: “Hey, quero começar a seguir uma trajetória na qual eu possa controlar meu próprio universo”. Não tenho alguém que me faça um tour do que eu devo seguir. Não tenho uma referência do que é preciso fazer. Quero conseguir pavimentar esse caminho e ser pioneiro na minha trajetória – por isso, desejo encontrar pessoas que conseguiram fazer isso para elas próprias e começar a observar como foram suas trajetórias. Como elas navegaram por essas águas?

Então, como você disse, essa capacidade de ser objetivo com sua própria vida, levantando-se e observando o panorama amplo dela, tem sido fundamental, pois não basta apenas imitar o que as outras pessoas fizeram. Você definitivamente deve aprender com elas, absorver o que fizeram e encontrar formas de aplicar tudo isso ao seu próprio interesse e àquilo que o torna único.

Felix: Gosto dessa pérola que você disse a respeito de que, quando começamos em qualquer coisa, seremos vistos como imitadores. Obviamente, não permaneça parado neste ponto, mas também não fique desanimado para continuar ou se sinta como um “poser” ou uma fraude, sem continuar a correr atrás. Pense sobre outras formas pelas quais as pessoas aprenderam a conquistar novas habilidades. Se você está aprendendo a tocar um novo instrumento, não começará criando suas próprias músicas do nada. Ninguém progride dessa forma. Você começará copiando aquilo que já existe, apenas para conseguir tocar. Assim que chegar lá, será a única vez que poderá realmente descobrir seu estilo e sua personalidade.

Don: Exatamente.

Felix: Um pouco antes, você mencionou o quanto ouve diversos podcasts. Você já leu muitos livros anteriormente. Acho que isso se aplica aos ouvintes deste podcast e também à sua trajetória, na qual você teve todas essas ideias. Você tem todo esse conteúdo e conhecimento na sua cabeça, mas a parte da execução é onde as coisas começam a ficar difíceis. Como você fez essa transição de pegar aquilo que aprendeu no podcast, ou através da leitura de livros, blogs ou o que mais as pessoas estão consumindo, e colocá-lo em ação e utilizá-lo? Primeiro, acho que se deve identificar o que você quer utilizar e seguir em frente com isso. Qual seu processo?

Don: Acho que falamos disso muito rapidamente. O simples começo é sempre a parte mais complexa. Se você tem um ônibus parado, a parte mais difícil é fazê-lo começar a se movimentar. Atrair as pessoas e se cercar de indivíduos que desejam seu sucesso é fundamental. O lance do Kickstarter foi algo assim para nós. Esse não é o caminho para todos, obviamente. Conheço muitas pessoas ao meu redor que tentaram o Kickstarter e fracassaram – mas isso representa começar, prosseguir, pegar um fracasso e modificá-lo. Depois, repita o processo. Se você começar a empurrar o ônibus, e se ele for um pouco à frente, mas se estiver irritado, pois ele não está indo a 65 km/h imediatamente, não se preocupe. Na próxima vez, as coisas acontecerão.

Acredito que, para mim, particularmente, toda essa concepção de seguir da ideia e teoria à execução consiste em literalmente fazer – ir lá e fazer. Se você quer começar um website, fique online e apenas comece a criá-lo. Pare de dar desculpas. Pare de dizer isto: “Preciso de cinco mil para pagar um desenvolvedor”. Vivemos no mundo do Shopify. Tenho uma ótima história do Shopify para contar mais tarde.

Eu estava esperando os desenvolvedores criarem um website para mim, mas pensei: “Quer saber? Eu mesmo vou fazer isso, pois eles estão seis meses atrasados. Não estou obtendo resultados, portanto, vou entrar no Shopify e construir um website”. Eu o criei em uma semana. Então, um amigo meu, programador, corrigiu todos os meus erros, removendo-os. Foi simples assim. Eu pensei: “Sabe o que mais? Vou começar apenas com o período de avaliação gratuito. Vou acessar e tentar ver se consigo fazer algo”. Acho que isso é fundamental: você deve começar a fazer o que é preciso, hoje mesmo.

Quando trabalhava com Dave Ramsey, produzindo seu podcast, em período integral, sem conseguir avançar na velocidade desejada e com dificuldades, eu pensava: “O que estou fazendo aqui? Tenho outras 40 horas que podem ser facilmente preenchidas”. No ano anterior, eu trabalhava 80 horas por semana. Eu sabia que tinha mais tempo. Todos temos o mesmo período de tempo. A questão é a sua vontade de fazer. Quando percebi isso, voltava para casa e, duas horas depois, colocava meus filhos para dormir. Então, trabalhava nas minhas coisas nessas noites. Seja o que for que estiver atrapalhando seu caminho, ao invés de dizer: “Gostaria de contar com isto para poder começar”, apenas diga: “O que posso fazer com o que possuo hoje?” Existem recursos, como eu disse, online. Se você fizer essa pergunta a si mesmo, o que pode ser feito com o que você possui hoje, será ativada uma parte totalmente diferente do seu cérebro, a qual lhe ajudará a começar a fazer algo.

Felix: Gostei disso. Acho que é algo importante que praticamente deve ser impresso e pendurado em uma parede à nossa frente, pois, muitas vezes, mesmo que não estejamos conscientes disso, damos inúmeras desculpas. Criamos um monte de obstáculos apenas para evitarmos começar. Acho que voltamos à questão da preguiça ou do medo de fracassar. Não sei ao certo, mas, muitas vezes-

Don: É isso mesmo.

Felix: Nós apenas criamos esses obstáculos. Você basicamente está sugerindo que as pessoas comecem e tomem uma atitude. Mark Zuckerberg foi quem disse isto aos recém-chegados para trabalhar no Facebook: “Ande rápido, quebre as coisas”. Você acha que é possível tomar providências de forma precipitada? Existe um cenário no qual podemos estar andando muito rápido? O que você acha?

Don: Sim. Tenho uma teoria sobre isso. Acho que, se você pegar o caminho mais complexo, ou seja, começar a criar as coisas... Estamos no ambiente do e-commerce. Digamos que você tenha a ideia de criar um tipo de... Estou olhando uma carteira fabricada à mão aqui na minha frente. Você deseja começar a fabricar carteiras. Bem, o ambiente de carteiras é... Existem milhões de pessoas vendendo carteiras, mas elas são fáceis de ser produzidas. As pessoas sempre precisam de carteiras, por isso, veja se fabricar carteiras será algo que fará você feliz. Faça 10 ou 12 carteiras e veja se é possível vendê-las. Então, quando vendê-las, aumente a produção para 24 e reinvista o dinheiro faturado na produção desse novo lote. Se você superou o break-even, independentemente do valor, continue vendendo carteiras. Vá em frente.

Acho que estaremos andando muito rápido se... Gosto de usar esta analogia. Queremos perder peso, portanto, vamos tentar fazer o possível para perdê-lo. Acessamos o site da loja Lululemon. Compramos as calças de ioga, ou acessamos o outlet da Nike e compramos um par de tênis. Além disso, compramos os shorts. Então, fazemos a matrícula em uma academia e começamos a correr. Depois de meio quilômetro, você pensa: “Que saco. Não quero fazer isso”. Então, você desiste. Não chegue a esse ponto.

Essa é uma das principais lições que aprendi. Quando nos casamos, eu e minha esposa começamos a gastar muito: comendo na rua, pagando despesas de saúde no cartão de crédito e agindo de forma ridícula com nosso dinheiro. Acabamos contraindo US$ 80.000 em dívidas. Foi algo terrível. Um dos motivos pelos quais eu estava na estrada, trabalhando nos shows, sem gostar do que fazia, era porque eu queria pagar nossa dívida – por isso, estava tentando fazer algo responsável, para poder sair depois. Devido a isso, nossa dívida me ensinou uma lição: ela pode ser uma ferramenta para ajudá-lo a atravessar o muro. Ela é uma corda. Ela pode ser uma corda que ajude você a superar o muro, mas também poderá amarrá-lo atrás da parede. Acho que, quando você está começando algo, algo que o deixa preocupado...

Você se pergunta: “Posso andar rápido?” Não acho que tenha a ver com andar rápido. Acho que você pensa muito rápido. Você cai nessa armadilha de achar que vai ganhar muito dinheiro. Você decide fazer algo de um jeito, mas ainda nem sabe se tem um negócio verdadeiro em mãos. Não sabe se a ideia está completamente formada. Só porque você tem uma ótima ideia, isso não significa que você tem um ótimo negócio. Apenas possuir um excelente produto não significa possuir um excelente negócio. Aprenda as coisas por etapas e prossiga por etapas. Comece de forma atabalhoada, mas vá fazendo as coisas – e tente não se precipitar.

Todas as minhas ideias fracassadas, sobre as quais coloquei a Nerdwax, no porão, foram expressões da minha vontade de tentar... Uma delas consistia na impressão de camisetas. Em certo momento, passei a gostar bastante de imprimir camisetas. Cheguei a comprar uma montanha de itens de impressão e camisetas. Era terrível. Eu odiei aquilo. Se eu apenas tivesse ido a uma loja de estampas e perguntado se poderia estagiar lá gratuitamente durante as tardes, e feito isso, talvez teria gostado. A ideia de começar um negócio de estamparia no meu porão era uma forma horrível de se começar, mas eu aprendi com aquilo e segui em frente... Aquele fracasso definitivamente foi algo que eu levei comigo. Comece pequeno. Apenas comece pequeno e siga em frente. Quando você começa dessa forma e, depois, segue à próxima etapa e ao próximo nível, não sei se é possível andar muito rápido assim.

Felix: Faz sentido. Vamos falar sobre seus primeiros passos rumo à criação deste negócio, ou seja, a campanha do Kickstarter. Apenas para relembrar rapidamente, você tinha uma meta de apenas US$ 5.000, mas acabou angariando mais de US$ 60.000 com aproximadamente 3.000 apoiadores. Você disse que seu primeiro apoiador, um desconhecido, surgiu logo no início do lançamento. Como isso aconteceu? Não faz muito tempo que estávamos em 2014. Acho que o Kickstarter era muito mais simples no começo. A que você atribui esse primeiro impulso precoce?

Don: Acho que tem a ver com o fato de as pessoas sempre dizerem: “Você deve possuir uma ideia boa. É preciso ter uma boa ideia, um produto atraente”. Acho que temos isso com a Nerdwax. Acredito que as pessoas pensam isto da marca: “Cara, queria ter pensado nisso”. Na minha opinião, trata-se de algo muito legal que cuida de diversas necessidades de muitas pessoas, além de ser uma coisa que elas não percebiam se tratar de um problema. Acho que, no vídeo, eu digo: “Isso é algo que nunca pensei que precisasse, mas, agora que o tenho, não consigo imaginar minha vida sem ele”. É uma dessas coisas, portanto, acho que isso ajudou bastante.

Em nosso Kickstarter, esse impulso inicial veio de pessoas que assinavam blogs sobre o Kickstarter e que possuíam o Kick Tracker. Eles observavam todos esses projetos inéditos e gostavam de ser os primeiros a ajudar novos produtos e ideias. Acho que a faixa de preços inferior nos ajudou. Trata-se de um produto de US$ 10, então, ficou fácil. As pessoas do outro lado do mundo podem justificar o valor de US$ 10, e elas pensam: “Hey, darei US$ 10 a você”. No Kickstarter, se você conseguir encontrar uma faixa de preços em torno de US$ 20, esse é o preço ideal na plataforma, pois as pessoas não se importam de gastar US$ 20. Se você fracassar, não será um risco grande.

Também tínhamos níveis mais altos. Três pessoas, umas delas era um completo desconhecido, deram-nos US$ 500 na campanha. Tivemos um apoio enorme. Percebi que, se não construir esses níveis dentro da campanha, você basicamente estará deixando de faturar mais, pois as pessoas na comunidade do Kickstarter gostam de outras pessoas e gostam do indivíduo que criou a ideia. É preciso ter uma boa ideia, mas lembre-se também de que você estará vendendo a si mesmo.

Se você for fazer uso do Kickstarter, do Indiegogo ou de uma dessas plataformas de financiamento coletivo, essencialmente... Nem sempre é preciso fazer isso. Obviamente, existem milhões de projetos que não o fizeram. Pela minha experiência, começando do zero, não pagamos por nenhum tipo de publicidade – nosso sucesso foi construído pelo fato de que eu era muito vulnerável, permitindo às pessoas saber quem eu era, além da nossa história. Fiz isso de forma bastante concisa. Informo a eles o que precisamos, os desafios que encaramos e o que receberão por nos ajudar. Quando você consegue fazer isso, utilizando uma chamada para ação bastante precisa e clara, acho que é possível levar o produto ao Kickstarter. Isso não será um problema.

Felix: Acredito que no Kickstarter, e também no e-commerce em geral, como você dizia, as pessoas querem comprar com outros indivíduos. Eles não querem comprar com alguma marca desconhecida. Você disse que, no fim das contas, é preciso vender a si mesmo. Parece que a forma como você fez isso é se tornando vulnerável na página do Kickstarter e também no vídeo adicionado à plataforma. Você acredita que essa seja a única forma, ou existem outras maneiras de vender a si mesmo – ou é preciso se tornar vulnerável e colocar tudo para fora?

Don: Sim. Eu fui muito influenciado pelo Ted Talk da Brené Brown, quando ela falou sobre vulnerabilidade. Acredito que tenha sido uma grande lição para mim quando percebi que vulnerabilidade gera vulnerabilidade, e confiança gera confiança. Portanto, fazer tudo isso... Depende da marca que você está construindo. Com a Nerdwax, todo o nosso conteúdo é bastante atraente. Nada se parece com algo de uma marca grande. Entretanto, isso pode não ser ideal com sua ideia. Você poderá querer transmitir a sensação de uma marca grande. Você poderá estar lidando com muitas percepções em um ambiente no qual a confiança é gerada através da imagem de uma marca grande, ou de parecer que você possui muitos funcionários, etc.

Tudo se resume a, como falávamos anteriormente, decidir o que você quer para sua empresa. Isso é algo importante que percebi. Quando estou olhando e vejo aquelas pessoas 5x e 10x maiores ao meu redor, penso que elas estão construindo algo que eu não estou construindo. Observe o que você está criando e perceba: “Hey, eles estão construindo um arranha-céu, um condomínio, um multiplex. Eu estou construindo uma casa”. Não tem problema. Nem todos precisam construir um negócio bilionário. Você pode construir um negócio de estilo de vida e se sentir muito satisfeito, além de possuir tempo livre para fazer tudo o que deseja. Nem sempre deve se tratar da sua vocação. Pode ter a ver com um passatempo. Você pode fazer trabalhos bacanas, criativos e divertidos sem que eles sejam uma fonte de renda.

Algo importante neste negócio especificamente tem sido, para mim, a construção de algo que produza mais tempo livre em minha vida. Não quero ficar gerenciando uma equipe de 12 funcionários todo o tempo. Não tenho habilidade nisso. E não é o que estou construindo. Quando olho ao meu redor e vejo pessoas com seus negócios e com tudo aquilo que estão construindo, a tendência é pensar: “Eles estão fazendo. Eu também deveria fazê-lo”. Então, você deve perguntar a si mesmo se isso é o que você deseja. Esse é o objetivo que você definiu e que está tentando alcançar? Para mim, não é o que eu quero alcançar. Isso significa que me sacrifico de outras maneiras. Não teremos as mesmas vendas brutas dessas empresas. Nossas vendas brutas serão muito menores, mas eu desfrutarei minha vida, meu tempo e o estilo de vida que estou criando enquanto construo esta marca.

Felix: Algo que você falou sobre a campanha do Kickstarter é que se trata de um produto do qual as pessoas nunca souberam que precisavam. Acho que, provavelmente, elas não sabem que isso existe, mas, quando compram, acabam compreendendo. Elas entendem por que precisam de um produto desses. Como isso afeta seu marketing? Milhares de pessoas não estarão por aí procurando por essa solução particular, pois talvez nem saibam que exista uma solução assim. Qual a sua abordagem para divulgar um produto como esse?

Don: Cara, isso tem sido um desafio enorme. Algo que não falamos é que estivemos no programa Shark Tank, em outubro do ano passado. Até hoje, esse foi o maior catalisador das nossas vendas ao longo do tempo. Fomos de US$ 136.000, no começo do ano passado, para quase um milhão de dólares em vendas brutas atualmente. A maior parte disso veio do tráfego gerado pelo Shark Tank. Eu acredito que o Shark Tank seja bastante semelhante à forma como lidamos com o Kickstarter, ou seja, demonstrando minha vulnerabilidade. Essa é minha personalidade como empreendedor. Essa é minha família. Estamos construindo juntos esse negócio. Acredito que tudo isso foi o maior catalisador do nosso sucesso até agora.

Fomos ao ar no último mês de outubro. Em breve, estamos chegando em agosto por aqui. O tráfego do Shark Tank diminuiu. Não estamos com a mesma tração de antigamente. Agora, a questão é esta: como faremos para divulgar o produto de uma forma consistente e significativa? Como posso criar esses funis e, em seguida, levar tráfego para dentro deles? Ainda não resolvi esse desafio. Não estamos cuidando disso no momento. Sei que esse será o desafio à frente, tenho trabalhado nele há algum tempo. Vamos implementar algumas coisas nos próximos meses.

Não sei se tenho muita coisa a dizer, como: “Hey, isso é o que fizemos e que pode gerar tráfego ao seu website de maneira confortável”. Shark Tank, Kickstarter. Saímos no Daily Mail. Estamos no Mashable. Tudo isso aconteceu organicamente, pois saímos por aí e começamos a fazer um escarcéu porque havíamos produzido algo, como diz Seth Godin, marcante – portanto, vale a pena fazer uma referência disso.

As pessoas veem alguém cujos óculos estão escorregando e fazem o clássico movimento nerd de empurrá-los para cima. A pessoa diz: “Hey, já ouviu falar da Nerdwax?” E a outra responde: “O que é Nerdwax?” Nós somos dignos de referência. Se o nosso nome fosse “Aderência Colante para Óculos”, e a pessoa dissesse: “Hey, seus óculos estão escorregando. Você precisa de um pouco de Aderência Colante para Óculos”. A outra responderia: “Quê?” Basta ser divertido, esquisito, ser você mesmo e o que quer que isso seja. Talvez você não seja estranho e divertido. Tudo bem. Seja você. Independentemente de tudo, seja você mesmo e certifique-se de que isso seja algo concreto. Se você pretende fazer um escarcéu ou chamar a atenção no seu segmento, considere aquilo que será capaz de fazer as pessoas comentarem sobre o que você está fazendo.

Felix: Observando o sucesso que você teve com esses canais, parece que, se alguém não tiver um produto que as pessoas não saibam de que precisam, ou não saibam que exista, a chave para divulgá-lo é possuir um produto marcante, como você dizia, ou uma história marcante, e fazer uso das relações públicas. Fazer com que as publicações escrevam sobre você. Também consideraria o Shark Tank como uma forma de RP, acho. Essa é a única forma de ficar à frente das massas, pois, caso as pessoas não estejam ativamente procurando por você, então, será preciso ficar à frente delas, basicamente.

Don: Aí é que está. Deixe-me falar sobre isso, pois as pessoas vão ouvir e pensar: “Bem, não estou no Shark Tank ou no Mashable”. E concluirão: “Terei que pagar para obter serviços de RP ou precisarei fazer algo complicado”. Não é necessariamente verdade. Blogueiros ganham a vida falando sobre todo tipo de coisa. Eles sempre estão em busca do que falar. E sempre procuram histórias para vender. Se você puder escrever uma história para eles, se conseguir tirar todo o trabalho e entregar-lhes a parte boa, e se puder ser marcante, eles encontrarão você – e isso é importante. Não dê desculpas do tipo: “Hey, preciso fazer todas essas coisas”. Tem sido incrível. O Kickstarter foi incrível. O Shark Tank foi incrível.

Agora vem o trabalho de saber como fazer mais algumas “ondas”. Como fazemos as pessoas comentarem? Não é possível quantificar isso tão facilmente quanto algo deste tipo: “Hey, vou contratar um profissional de RP para gerar press releases para mim”. Isso é algo realmente quantificável. Acho que você pode fazer isso, mas certifique-se de montar a infraestrutura previamente. Tenha certeza de que você possua algo do qual eles queiram participar. Caso contrário, será uma batalha difícil.

Felix: Isso certamente faz sentido. Falando no Shark Tank, você foi ao programa com o objetivo de levantar ou obter US$ 80.000 de investimento por 20% do negócio. O que acabou acontecendo? Qual foi o resultado daquela proposta no Shark Tank?

Don: Mais cedo, eu fiz um comentário sobre nossa versão a respeito das dívidas – ou, mais ou menos, minha visão sobre as dívidas. Elas simplesmente tornam as coisas mais complicadas. Quando você recebe um investimento, sabe que terá que agradar muitas outras pessoas além de si mesmo, além de sua visão e de aonde você deseja levar seu negócio. Nós fomos ao programa conhecendo os “tubarões” com os quais gostaríamos de nos alinhar, e recebemos duas ofertas. Uma delas veio do Kevin, e a outra veio de um “tubarão” convidado, Troy Carter, antigo manager da Lady Gaga. Ambos queriam fazer negócio.

A oferta do Kevin foi assim: “Darei-lhe os US$ 80.000, mas quero US$ 240.000 de volta e mais 3% para fechar o negócio”. Era horrível... Ele queria 10% de vendas brutas até que seus 240 mil estivessem pagos. Isso era terrível – era definitivamente a corda atrás da parede, que o impede de seguir em frente, pois, no Shark Tank especificamente, eles sabem que você terá uma enorme onda de vendas. Um produto como o nosso, com preço de US$ 10, atraente ao grande público: esse produto provavelmente proporcionará muito dinheiro em breve. Se você tirar 10% disso, já teríamos pago o Kevin de volta, e ele seria dono de 3% da minha empresa, sem fazer absolutamente nada ou sem se tornar parte de nosso negócio.

A menos que eu valorize esse relacionamento ou o que eu acredito que ele fará por nós no futuro, não faz sentido aceitar essa oferta. Para nós, o Kevin realmente não se alinhou com a imagem da nossa marca e com a história que eu quero contar. Acredito que teríamos fechado negócio com o Kevin, se ele tivesse demonstrado algum interesse. Dá para saber, no programa, quando o Kevin faz uma oferta com interesse na empresa e quando ele faz uma oferta sabendo que receberá o dinheiro de volta. Eu pude ver claramente que ele não estava nos fazendo uma oferta que significasse que ele queria fazer parte do nosso negócio em expansão ou ajudar a expandir nossa marca. Ele estava apenas tentando ganhar algum dinheiro. Eu não o culpo por isso. Ele possui a plataforma. Isso é ótimo, mas não era algo que queríamos fazer.

Troy Carter fez uma oferta semelhante. Você fica lá durante uma hora, e eles mostram oito minutos do seu segmento. Você passa um bom tempo falando. Conversamos sobre muitas coisas e apenas sentimos que não houve uma combinação. No final das contas, recusamos as ofertas recebidas. Durante todo o tempo, Mark e Damon estavam nos incentivando a não aceitar nenhuma oferta. Eles nos disseram: “Vocês não estão prontos. Não aceitem investimentos agora. É uma ideia muito ruim. Controlem seu próprio destino”.

Eu já sentia isso. É muito difícil. Conforme junta suas informações e seus números para o Shark Tank, você está investindo tempo e esforços, e conhecendo tudo a respeito do seu negócio. Percebi que não estávamos prontos para um grande investimento, mas temos esses problemas de fabricação que precisamos resolver. Se eles pudessem chegar e nos ajudar com isso, seria ótimo. Caso contrário, não faríamos negócio. Quando nos demos conta de que não havia uma combinação boa, recusamos essas ofertas.

Se você pensa em participar do Shark Tank, faz parte daqueles que estão esperando para participar do programa ou é fã dele, e caso possua um negócio e acredite que ele seja adequado para o Shark Tank, lembre-se de que apenas 30% dos negócios que você vê realizados na TV são realmente fechados. Ao entrar naquela arena, é altamente provável que o negócio não seja fechado. Mais importante do que fechar o negócio é a forma como você lida ao estar na frente de tantas pessoas, ou seja, a parte de RP da marca.

Controlar a história foi muito importante para mim. Durante todo o tempo em que eu estive lá, pensava em como eles editariam aquilo. Como eles farão para... Queria ter certeza de que fôssemos percebidos da forma como eu gostaria. Queria me certificar de que estivéssemos sempre sorrindo. De que estivéssemos superpositivos e animados. Eu pensava em tudo isso com o que gostaria que as pessoas associassem a mim e à minha marca, e não tanto sobre investimentos, detalhes e negócios fechados. Acredito que muitas pessoas vão lá e se concentram na oferta.

Acredito que você deva trocar isso. Conheça seus números. Saiba com quem você deseja fazer negócio. Conheça a estrutura de investimentos, mas chegue lá pensando em como você será percebido pelo público norte-americano. É isso o que importa para mim. E tem sido um enorme catalisador para nosso negócio, além de abrir inúmeras portas para nós. Penso que a maior parte disso foi justamente chegar lá de forma intencional, tornar-se vulnerável com as pessoas com as quais falávamos e dizer: “Hey, esse sou eu. Essa é minha marca. Isso é o que fazemos”.

Felix: Acredito que muitos ouvintes não seguirão o mesmo caminho em que você está, mas talvez uma porção menor esteja pensando em receber investimentos de amigos e familiares, ou talvez de um investidor-anjo. Você mencionou Mark no programa, além de outros “tubarões” que afirmaram que você ainda não estava pronto. Acho que isso é uma... Não ouço isso com muita frequência, principalmente no mundo das startups em que vivemos atualmente. Pegue o dinheiro. O mais rápido possível. Quanto mais dinheiro, melhor. Não se preocupe com mais nada. O objetivo é sempre receber cada vez mais financiamento. Conte-nos um pouco sobre isso. O que havia com seu negócio? O que havia com [para em 00:56:42] no qual você faz parte, que fez Mark dizer isso? Creio que você também decidiu que não estava pronto para receber um investimento. Quando uma empresa está pronta para recebê-los?

Don: Não sei se há alguma coisa específica que eu possa apontar, algo que eu possa afirmar que seja o ponto em que você está pronto. Acho que, para mim, o importante é que sempre haja uma troca. Quando recebe dinheiro, você o está trocando por ações da sua empresa ou por porcentagens dos lucros, pois esse valor deverá ser pago com juros. O que você está trocando, e o que está ganhando? Para mim, eu não queria trocar todos os componentes criativos da nossa empresa. Quanto ao que fazemos hoje em dia, muitas pessoas diriam: “Você gosta do nome? Nós apenas não sentimos que os nomes são ótimos”. E eu responderia: “Não, eu adoro o nome. Ele é muito importante”. Eu não trocaria ele. Sempre que você cria esse tipo de relacionamento...

O cara para quem eu trabalhei, Dave Ramsey, dizia que o único navio que não é capaz de navegar se chama parceria. Isso se deve a ele construir seu próprio negócio ao longo do tempo, além de ser muito intransigente. Se esse for o seu caso, uma parceria ou um investimento podem não ser as melhores opções. É por isso que, no ambiente das startups, é preciso ser rápido e firme, ou o fracasso virá. Mas não é preciso ser sempre dessa forma. Hoje, eu me levantei às sete da manhã. São quase nove horas da noite. Eu ainda estou inteiro, e está tudo bem, pois eu gosto disso. Uma parte importante, na minha opinião, é que, se o trabalho ou a atmosfera não for agradável, se as pessoas com as quais você se juntou não são agradáveis, então por que fazer isso?

Sei que é algo bastante vago, mas lido com isso a partir do ponto de vista de que não sei se existe uma solução única, um ponto específico no tempo no qual você deve aceitá-lo. Todos nós gostamos de nos envolver com as métricas, assim como equipamentos de corrida. Gostamos de nos envolver com as taxas de conversão, tráfego e outros números. Tudo isso é ótimo. Eles nos ajudam a quantificar. E mensurar. E a nos tornarmos melhores. Sinceramente, como é a qualidade da sua vida?

Ouvi recentemente alguém falar sobre... Existe um “eu” no curto prazo, e outro “eu” no longo prazo. Se você se concentrar apenas em um deles, o outro sofrerá. Você pode analisar seu “eu” no curto prazo e pensar: “Tenho que viver o presente. Não vou economizar. Não vou pagar um seguro de saúde. Vou apenas aproveitar ao máximo”. Isso é ótimo. Seu “eu” no curto prazo irá prosperar, mas seu “eu” no longo prazo irá sofrer. Se você apenas olhar seu “eu” no longo prazo e pensar: “Vou economizar cada centavo que ganhar e abaixarei a cabeça. Vou respirar fundo e fazer esse trabalho que odeio”. Seu “eu” no curto prazo sofrerá, e você morrerá um pouco internamente, dia após dia. É preciso equilibrar esses dois lados e olhar a si mesmo como duas pessoas: seu “eu” no curto prazo e seu “eu” no longo prazo. Certifique-se de equilibrá-los.

Quanto a mim, pessoalmente, eu sabia o estresse que as dívidas causavam sobre nós, como família, além de dever às pessoas. Eu não queria continuar devendo às pessoas. Se conseguíssemos encontrar um investidor disposto a nos dar dinheiro, mas também a fazer parte da empresa e crescer conosco, ótimo. Isso faz sentido. Contanto que ele apoie você e esteja ao seu lado, apenas saiba que você estará trocando uma coisa por outra.

Estou muito feliz com o negócio que temos. Em seis meses, ele provavelmente estará totalmente diferente em relação a hoje. Trata-se daquilo que falávamos antes. Seja grato por aquilo que você estiver construindo, quando estiver construindo. Olhe para isso de forma objetiva e faça suas perguntas. Seth Godin fala sobre isso constantemente. Ele afirma: “A troca vale a pena?” Você faz trocas a todo momento. Basta olhar para elas e ponderar: “Hey, isso vale a pena? Está me levando mais próximo da meta? Isso está me levando um passo mais próximo daquilo que eu quero alcançar?”

Felix: Adorei. Quais são seus objetivos? Quais os planos para o ano que vem? O que você deseja alcançar com a Nerdwax durante o próximo ano?

Don: Neste momento, estamos tratando de criar um caminho menos orientado pela questão de RP, obviamente porque começar no Kickstarter, passar por todo o sucesso e fazer um alvoroço online, chegando ao Shark Tank, produziu picos enormes, mas agora temos uma grande retração. Estou bastante animado para impulsionar nosso negócio em níveis, ou seja, olhar para o futuro e planejar alguns meses, talvez seis ou oito meses à frente. Agora, estamos com algum caixa. Faz parte de possuir um negócio. Você pode decidir para onde vai todo o dinheiro. Não estamos gastando tudo. Temos uma reserva. Pela primeira vez em toda a nossa vida, temos uma “gordura”. Tenho uma reserva de tempo e de dinheiro. Podemos olhar para isso. Nosso cérebro fica mais livre para tomar decisões melhores. Neste momento, estou olhando para o ano que vem e pensando: “Que produtos eu quero adicionar? Como farei para lidar com isso?”

Como você dizia anteriormente, é preciso mudar a mentalidade: de “eu preciso” para “eu posso”. Tenho isso dentro de mim, e sempre tive. É como Pistol Pete sempre dizia quando treinava – ele sentia que alguém estava ficando melhor do que ele, ou, quando não treinava, achava que alguém estava ficando melhor. Eu sempre tive essa chama dentro de mim, que me faz seguir adiante. Eu preciso seguir em frente, e fico desesperado sobre a próxima coisa a ser feita. Nesta última temporada, pensei: “Quer saber? Eu posso fazer a próxima coisa”. Eu tenho a oportunidade, agora, bem como os desafios, à minha frente: como farei para divulgar essa nova fase? Esse é o desafio que preciso resolver hoje.

Tem sido bastante divertido. Eu mudei minha mentalidade sobre isso, e tem sido desafiador. Foi horrível, algumas vezes, mas também foi muito divertido, pois minha mentalidade tem sido esta: “O que farei em seguida?” Eu não sei, mas vou descobrir.

Felix: Sensacional. Muito obrigado, Don. Nerdwax.com é o website. N-E-R-D-W-A-X ponto com. Algum outro lugar que você recomende que nossos ouvintes acessem para acompanhar suas novidades?

Don: Sim. Estamos em todos os lugares com o nome Nerdwax: Instagram, Twitter, Facebook e YouTube. Somos a Nerdwax. Com sorte, produziremos mais conteúdo no YouTube. Acho que esse será um canal bastante divertido para nós. Temos falado muito sobre mim, minha família e nossa história. Espero que, futuramente, possamos ver... Não sei se dará certo, mas tentaremos começar a fazer umas coisas no YouTube. Acho que será bem divertido e poderá ser um canal legal para nós. Nerdwax.

Felix: Incrível. Muito obrigado, Don.

Don: Obrigado, Felix. Eu gostei muito.

Felix: Obrigado por ouvir o Shopify Masters, o podcast de marketing de e-commerce para empreendedores ambiciosos. Para lançar sua loja hoje mesmo, visite shopify.com/masters e obtenha sua avaliação gratuita estendida de 30 dias.