Blogs da Shopify

O guia definitivo para encontrar clientes de web design

Finding web design clients

“Onde encontrar clientes de web design?”

“Como construir um bom funil de vendas?”

“O que fazer para gerar leads melhores?”

Em algum momento, todo freelancer ou agência já se fez essas mesmas perguntas. A verdade é que, por mais apaixonado que você seja por sua profissão, é importante conquistar a estabilidade financeira. Afinal, ela serve de termômetro para você avaliar se está fazendo um bom trabalho e tomou a decisão certa ao se tornar seu próprio chefe.

No entanto, para alcançar a estabilidade financeira, é preciso conquistar clientes. Por isso, neste artigo, vamos falar sobre seis táticas diferentes para você encontrar clientes de web design para a sua empresa.

1. Escreva boas propostas comerciais

Existem dois tipos de pessoas no mundo: as que gostam de redigir propostas e as que não gostam. Independentemente disso, as propostas são fundamentais para encontrar novos clientes. Além do mais, são uma ótima ferramenta auxiliar para fechar um contrato de prestação de serviço, especialmente após o contato inicial e a apresentação de seu portfólio.

Também é possível fazer uso de propostas para oferecer novas oportunidades de negócio para clientes potenciais que ainda não conhecem sua empresa (cold leads). As empresas geralmente emitem uma Solicitação de Propostas (ou uma RFP, do inglês Request for Proposals) online, o que significa que você pode se candidatar para trabalhar em projetos maiores, obter contratos melhores e ganhar mais visibilidade para o seu negócio. Sendo assim, é tão importante elaborar uma boa proposta quanto encontrar novas oportunidades de negócios.

É tão importante elaborar uma boa proposta quanto encontrar novas oportunidades de negócios.

Além de uma proposta bem escrita, também é essencial garantir que sua empresa esteja bem organizada em termos gerenciais, contábeis e estruturais para conseguir bons negócios tanto no setor privado quanto no público. Aliás, muitas vezes, profissionais liberais e microempreendedores individuais nem imaginam que podem ser fornecedores de serviços (ou produtos) para o Governo Federal.

Em princípio, qualquer empresa (e pessoas físicas) podem manter relações comerciais com empresas e órgãos públicos mediante o processo de licitação, desde que seja formalizada e em situação regular junto ao Fisco.

Também é importante comprovar habilitação jurídica, qualificação técnica e econômica, bem como regularidade fiscal através da apresentação de documentos específicos: contrato social (registrado no cartório ou junta comercial), balanço patrimonial, demonstrações contábeis do último exercício fiscal, capital social mínimo ou patrimônio líquido, além de outros documentos, como a certidão negativa de falência. Toda essa papelada tem um propósito: atestar uma situação financeira saudável.

Essas condições são essenciais para a participação em licitações. Se você ficou interessado em saber mais sobre como vender seus serviços de web design ou desenvolvimento web para o governo, não deixe de conferir 10 dicas para tirar esse projeto do papel.

Outras sugestões de leitura:

2. Acesse sites de empregos

Embora as RFPs possam resultar em grandes contratos e novas oportunidades de projetos, o processo, como um todo, demanda muito tempo. Mas, para a maioria das empresas, tempo é essencial, especialmente se elas tiverem por objetivo captar novos clientes para aumentar a receita mensal.

Por isso, uma alternativa é recorrer a um “marketplace” terceirizado: os sites de empregos, que publicam oportunidades em projetos de clientes e permitem que os freelancers se candidatem. Além disso, web designers e desenvolvedores também podem divulgar os valores da hora de trabalho que desejam cobrar e serem contatados pelos clientes para determinados tipos de projetos.

Para aumentar suas chances, experimente as duas abordagens: pesquise por projetos de clientes e disponibilize seu perfil profissional no site de sua preferência. E para facilitar essa tarefa, existem diversas plataformas bacanas para a divulgação de oportunidades de trabalho para freelancers. Vamos ver alguns exemplos a seguir.

Upwork

Finding web design clients: Upwork

O Upwork, antigamente conhecido como Odesk, é uma das plataformas de oportunidades de trabalho mais populares. Ao contrário de sites semelhantes, o Upwork permite que designers e desenvolvedores da web apenas façam lances em projetos de clientes, mas não publiquem seus próprios serviços  o que, com certeza, é bom, porque há uma infinidade de projetos publicados na plataforma, especialmente no campo de web design e desenvolvimento. E se você tiver uma boa reputação (ou um talento excepcional), talvez seja escolhido pelo próprio Upwork para projetos de clientes.

No entanto, esse tipo de acesso a leads de qualidade tem um preço. Os valores cobrados dos freelancers variam:

  • 20% para os primeiros 500 dólares cobrados do cliente.
  • 10% para cobranças vitalícias do cliente entre 500,01 e 10.000 dólares.
  • 5% para cobranças vitalícias do cliente que excedam 10.000 dólares.

Apesar dos números intimidarem um pouco, tenha em mente que o Upwork é um ótimo lugar para encontrar clientes novos (e até mesmo recorrentes!) para o seu negócio.

Freelancer

Finding web design clients: Freelancer

Assim como o Upwork, o Freelancer é uma fonte de oportunidades de trabalho que permite que web designers e desenvolvedores procurem trabalhos interessantes e façam lances para participar de projetos de seu interesse.

No entanto, o Freelancer funciona de maneira um pouco diferente das plataformas tradicionais, pois os clientes em potencial podem escolher entre dois tipos diferentes de trabalhos: projetos e concursos.

Os projetos permitem que web designers e desenvolvedores façam lances competitivos para um determinado trabalho, enquanto nos concursos eles enviam trabalhos com um valor para pagamento, e o cliente potencial só aceita o trabalho (e faz o pagamento) se gostar.

Independentemente da modalidade escolhida, o acesso ao site é gratuito para freelancers. Para se inscrever, é bem simples: use sua conta do Facebook ou crie uma conta nova no Freelancer usando seu endereço de e-mail.

Da mesma forma que o Upwork, esta plataforma cobra uma taxa de comissão por cada projeto: 10% ou 5 dólares (prevalece o valor que for maior). 

PeoplePerHour

Finding web design clients: PeoplePerHour

No PeoplePerHour, web designers e desenvolvedores têm a oportunidade de publicar trabalhos que gostariam de fazer e determinar o quanto cobram por hora. Outra possibilidade é postar projetos com um valor fixo e determinar, antecipadamente, o número exato de horas necessárias para realizá-lo.

O que diferencia este site de empregos dos demais é permitir que os freelancers atraiam clientes com base na sua expertise, em vez de fazerem lances para projetos de clientes, embora essa opção também esteja disponível.

Assim como no Freelancer, a criação do perfil e postagem dos trabalhos são gratuitos no PeoplePerHour. No entanto, são aplicadas as seguintes taxas de comissão: 15% para os primeiros 280 dólares faturados em um mês e taxa de 3,5% para todos os outros trabalhos. 

Guru

Finding web design clients: Guru

Encontre novos clientes e desenvolva suas habilidades de web design e desenvolvimento com o Guru, que contém mais de um milhão de anúncios de emprego ativos para prestação de serviços nas áreas de web, software e TI.

Por meio do banco de dados do site, os clientes podem procurar por freelancers e empresas de acordo com a especialidade desejada, além de anunciar projetos e aguardar que os profissionais interessados façam seus lances.

O Guru disponibiliza vários planos (Basic, Basic+, Professional, Business e Executive); os mais avançados oferecem, proporcionalmente, menores taxas pelos projetos, maior possibilidade de se fazer lances e um número maior de recursos. No plano Basic gratuito, as taxas cobradas pelos projetos ficam em 8,95%.

Marketplace dos Especialistas da Shopify

Finding web design clients: Shopify expert marketplace

Já pensou em tornar seu trabalho conhecido pelos lojistas da Shopify? Com o nosso Marketplace dos Especialistas, fica mais fácil divulgar e alavancar seu negócio.

Após você se tornar um Especialista da Shopify, sua empresa fará parte do Marketplace, onde você poderá personalizar o modo como seu perfil é exibido, além de publicar avaliações de clientes e amostras de seu trabalho. Mais de 600 mil lojistas acessam o Marketplace, muitas vezes em busca de indicações de profissionais capacitados para ajudá-los no que precisarem. Que tal fazer parte dessa rede?

Você ainda não é um parceiro da Shopify?

A oportunidade de se tornar um especialista, gerar mais receita e expandir os negócios está disponível apenas para os participantes de nosso Ecossistema de Parceiros. Se você ainda não faz parte do Programa de Parcerias gratuito da Shopify, cadastre-se agora

Comece já

Leituras recomendadas:

3. Utilize o cold pitching de forma eficiente

Já falamos sobre propostas e sites de empregos online, mas e se você tiver a capacidade de abordar um cliente em potencial de maneira mais direta?

Não, não estamos falando de cold calling, embora você possa tentar essa tática também, se quiser.

Fazer cold pitching (ou seja, abordar um cliente em potencial que não se conhece ainda, seja por e-mail ou pessoalmente) é uma abordagem possível para empresas que não podem se dar ao luxo de ficar ao telefone o tempo todo. Mas, assim como ocorre com o cold calling, é preciso talento e técnica para que se atinja o resultado esperado.

A seguir, vamos analisar como você pode fazer cold pitching para encontrar novos clientes de web design, seja por e-mail ou pessoalmente.

Por e-mail

Contatar clientes potenciais por e-mail é uma faca de dois gumes. O lado bom é ter acesso direto aos clientes. No entanto, os e-mails também têm um lado negativo; esses mesmos clientes podem achar que o seu contato é mais uma mensagem de spam.

Isso acontece e não é culpa de ninguém, a menos que seus e-mails realmente tenham cara de spam ou utilizem assuntos no estilo clickbait; se esse for o caso, sinto lhe dizer, mas você está vacilando.

Se você nunca enviou um cold pitch por e-mail, ou deseja aperfeiçoar a técnica, veja um exemplo:

Assunto: Vamos conversar sobre o seu site? Eu quero ajudar você!

Olá (nome do cliente potencial), tudo bem?

Espero que você não se incomode por eu entrar em contato. Meu nome é (seu nome) e eu sou (cargo) na (nome da sua empresa). No ano passado, demos suporte a diversas empresas, como (nome da empresa 1), (nome da empresa 2) e (nome da empresa 3), para a resolução de problemas com web design através de (a solução que você deseja oferecer).

Por isso, sei que podemos auxiliar a (nome da empresa desse cliente) também!

Em uma primeira análise, existem muitas coisas que estão funcionando bem em seu site. Por exemplo:

  • (Elogio 1)
  • (Elogio 2)
  • (Elogio 3)

Mas também há coisas que podem ficar melhores com alguns ajustes:

  • (Sugestão 1)
  • (Sugestão 2)
  • (Sugestão 3)

É aqui que entra a (nome da sua empresa) para ajudar você a reprojetar seu site. Para começar, anexei um estudo de caso da (nome da empresa analisada), uma empresa que está em uma situação semelhante; assim, fica mais fácil perceber os benefícios desse tipo de projeto.

Muito obrigado(a) pela sua atenção. Se você tiver qualquer dúvida, entre em contato comigo!

Um abraço,

(seu nome)

Pessoalmente

Digamos que você acabou de encontrar um perfil no LinkedIn e, pelo que parece, essa pessoa é a encarnação viva do cliente perfeito. Tendo a oportunidade de conhecê-la pessoalmente, você precisa de um pitch que realmente cause um impacto positivo; do contrário, talvez ela não dê a mínima bola para você.

É aí que um elevator pitch vem bem a calhar! Tradicionalmente, um "discurso de elevador" é uma explicação de 30 segundos sobre quem você é, o que você faz e por que a pessoa para quem você está apresentando a sua ideia deve te ouvir com atenção. O conceito está baseado na teoria de que, quando estamos em um elevador com alguém, temos apenas 30 segundos para transmitir o nosso ponto de vista.

De acordo com a MindTools, uma empresa inglesa de treinamento online em gestão e liderança, um bom elevator pitch é composto por quatro componentes:

  1. Faça uma apresentação sobre você e seus objetivos;
  2. Explique o que você faz;
  3. Identifique o que torna você incomparável (pense em seu principal argumento de vendas);
  4. Cative a atenção de seu público com uma pergunta.

Juntos, esses quatro componentes se articulam em um pitch persuasivo:

Oi, meu nome é Tânia Medeiros. Por meio do web design e do desenvolvimento web, minha empresa cria sites de e-commerce personalizados e sistemas de gestão de conteúdo. Com isso, os lojistas perdem menos tempo rastreando os pedidos e o estoque em suas lojas virtuais e ganham mais tempo para focar na criação de produtos incríveis.

Ao contrário de outras empresas, pesquisamos o público-alvo de nossos clientes e testamos nossos produtos finais junto aos usuários. Por isso, nossos clientes sempre vendem 20% a mais do que os concorrentes.

Que tal otimizar a gestão de sua loja virtual?

Para encontrar o elevator pitch perfeito para você e sua empresa, confira as dicas de leitura abaixo:

Depois do primeiro contato

Você já seguiu os passos certos: escreveu um e-mail, usou um elevator pitch e entrou em contato com seu cliente potencial. Mas, e agora? Normalmente, existem dois resultados possíveis.

Se você abordou o cliente potencial por e-mail:

  1. Você vai receber uma resposta.
  2. Você não vai ter retorno.

Ou…

Caso sua abordagem tenha sido presencial:

  1. O cliente (ou lead) vai dar sinal verde para que você encaminhe uma proposta mais detalhada da prestação de seus serviços.
  2. Ele será educado ao conversar com você, porém sem demonstrar um interesse genuíno, o que poderá ser percebido através de respostas genéricas e vagas.

Se você tiver um retorno positivo, perfeito! É um incentivo bacana para você tentar conseguir mais clientes e trabalhos de web design e desenvolvimento web. O próximo passo é tentar conhecer melhor as características desse lead.

Mas, o que fazer se você não tiver retorno ou for ignorado? Como convencer um lead a respeito dos benefícios de seus serviços sem ser inconveniente?

É tudo uma questão de timing, personalização e paciência. Vamos falar sobre cada um desses elementos em mais detalhes.

Timing

Após a primeira abordagem por e-mail ou encontro presencial com seu possível cliente, chegou a hora de enviar um e-mail de acompanhamento para documentar o processo e estabelecer uma via de contato regular com essa pessoa. Mas quanto tempo se deve esperar antes de fazer isso caso você ainda não tenha tido um retorno?

De acordo com o site de empregos nova-iorquino TheMuse, a regra geral é aguardar uma semana para que um lead responda. Se mesmo assim você não tiver retorno, entre em contato em cerca de duas semanas; isso, claro, se você souber que seu cliente potencial não está lendo os e-mails.

A pergunta que não quer calar, neste momento, é: como saber se meu futuro cliente está abrindo meus e-mails ou não?

Bem, se você fez cold pitching por e-mail, pense na possibilidade de utilizar uma ferramenta de rastreamento de e-mails como o HubSpot Sales, que exibe notificações na área de trabalho quando um cliente potencial abre uma mensagem que você enviou.

No entanto, se ele estiver deliberadamente abrindo e ignorando seus e-mails, convém adotar uma abordagem diferente para o acompanhamento: pule para a etapa "paciência", detalhada logo abaixo.

Personalização

Em seus e-mails de acompanhamento, é fundamental personalizar o conteúdo: identifique pontos críticos já conhecidos, ofereça soluções e recursos customizados e sempre sugira uma reunião para discutir melhor como sua empresa pode ajudar a empresa do cliente.

Além disso, se você souber que esse lead tem presença digital, pesquise a respeito; dê sugestões relacionadas aos hobbies ou interesses que ele cultiva, ou conecte-se em um nível mais pessoal. Assim, você aumenta as chances de receber um retorno positivo ao demonstrar que está atento e não se interessa apenas em dinheiro.

Conecte-se em um nível mais pessoal. Assim, você aumenta as chances de receber um retorno positivo ao demonstrar que está atento e não se interessa apenas em dinheiro.

Paciência

Se você ainda não recebeu uma resposta ou sua abordagem está sendo ignorada, crie um lembrete em sua agenda para entrar em contato novamente em seis meses e também depois de um ano. Talvez este não seja o melhor momento para esse lead específico; assim, você pode destinar seus recursos de pitching para leads mais receptivos.

Durante esse tempo, continue pesquisando sobre esse prospect e mantenha-se atualizado com as novidades e mudanças nos negócios dele. Nunca se sabe quando poderá surgir uma nova oportunidade de oferecer seus serviços de web design e desenvolvimento web!

    4. Marque presença em eventos

    Que tal praticar cold pitching pessoalmente? Os eventos são um lugar perfeito para encontrar novos clientes, e participar deles aumenta a visibilidade de sua empresa, o que é bom para continuar crescendo. Além disso, feiras e congressos em outros lugares podem ser muito divertidos; afinal, quem não gosta de viajar, conhecer outras pessoas e aprender coisas novas?

    Independentemente de serem gratuitos ou pagos, na sua cidade ou em qualquer lugar do território nacional, os eventos são um investimento em você e no seu negócio. Sites como o Eventbrite e o Meetup oferecem informações sobre encontros, congressos, feiras e outros tipos de eventos nas mais diversas áreas. Veja, a seguir, três exemplos de como maximizar essas experiências: 

    1. Participe de eventos na área de desenvolvimento web

    Congressos específicos do setor em que você atua ajudam na identificação de novas redes de negócios, possibilidades de parcerias e oportunidades de co-marketing.

    Na verdade, é tudo uma questão de fazer networking.

    Por exemplo, você provavelmente foi a um congresso (ou a um evento local do setor), conheceu milhares de pessoas interessantes e pensou: "Nossa, tenho que adicionar toda essa gente no LinkedIn!".

    Siga esse instinto! Nunca se sabe quem pode se tornar um novo cliente. Sua nova conexão pode repassar projetos menores, se você for um freelancer, ou recorrer à sua expertise para projetos de clientes mais específicos.

    Se você pretende investir em networking, crie uma planilha que possa ser atualizada facilmente após cada evento. Anote quem você conheceu, qual é a especialidade de cada um e o motivo para manter contato com essas pessoas.

    Dessa forma, se você estiver procurando por novos clientes de web design, pode consultar sua rede externa para a obtenção de leads. 

    Leia também:

      2. Participe de eventos na área de atuação do cliente

      Além de eventos específicos do seu setor, participe de eventos nas áreas de atuação dos clientes. Para o comércio eletrônico, por exemplo, há eventos como o Fórum E-commerce Brasil, o Marketplace Conference, além do Mercado Livre Experience (MELIXP). Outro evento bacana na área de marketing e vendas é o RD Summit. Existe até a oportunidade de se atualizar no mercado enquanto se curte um cruzeiro!

      Independentemente de qualquer coisa, os eventos voltados ao cliente oferecem a oportunidade perfeita para a apresentação de novos negócios de forma direta.

      Os eventos voltados ao cliente oferecem a oportunidade perfeita para a apresentação de novos negócios de forma direta.

      É um momento oportuno para identificar pontos críticos, oferecer soluções, discutir tendências no setor de seus clientes e reunir informações importantes para expandir seus negócios.

      Vale aqui a mesma sugestão de antes: crie uma planilha de contatos, que deverá ser atualizada após cada evento. Anote o nome dos contatos, o nome das empresas, o papel de cada um na organização, as dificuldades que eles estão enfrentando, os objetivos de negócios para aquele ano e um e-mail de contato.

      Use esses dados como uma poderosa ferramenta de alcance quando estiver procurando novos projetos de web design para a sua empresa. 

      3. Torne-se uma referência na área

      Falar em público sobre sua empresa ou marca pode ser uma forma bastante dinâmica de divulgação. Se você for um bom comunicador, terá mais influência em seu setor de negócios. No entanto, expor-se na frente de pessoas estranhas é um dos medos mais comuns que existem. Mesmo oradores mais experientes costumam sentir um friozinho na barriga antes de uma palestra ou apresentação importante. Mas não se preocupe, há diversas maneiras de tentar driblar o nervosismo na hora “H”.

      Em primeiro lugar, lembre-se que o conteúdo é a grande estrela: é para aprender algo novo ou ter insights significativos que as pessoas dispõem de uma ou duas horas de seu tempo para escutar alguém. Então, capriche na qualidade do que você vai apresentar.

      Outra dica útil: interaja antes de começar; cumprimente o público, apresente-se e agradeça a presença dos participantes. Além de quebrar o gelo, perceber rostos amigáveis e sorridentes é bom para relaxar. Afinal, fora algumas exceções, as pessoas normalmente participam de eventos por vontade própria e, portanto, estão receptivas.

      Para começar já com o pé direito, controle a respiração e comece falando devagar. É muito comum falar rápido quando estamos nervosos, mas além de deixar a sua tensão evidente, você corre o risco de tropeçar na dicção das palavras e não ser tão bem compreendido, o que pode prejudicar seu desempenho e atrapalhar a sua apresentação.

      Uma sugestão final: pratique com antecedência. À medida que você repete sua apresentação, acaba se apropriando do conteúdo e ficando mais confiante. Se possível, grave-se em áudio ou vídeo para depois se escutar ou assistir. Assim, fica mais fácil identificar em que momentos você está mandando bem e onde precisa corrigir pequenos deslizes. 

      Também vale lembrar que existem cursos de dicção e oratória para ajudar os tímidos que precisam fazer apresentações com frequência. Pode ser uma oportunidade não apenas de driblar o medo de falar em público, mas também de fazer novos contatos.

      Leia também:

      Palestras

      Falar em público

      5. Aposte no poder das indicações

      Depois de falarmos de redes externas, vamos mergulhar nas redes internas, usando sua clientela atual para encontrar novos clientes.

      Você já estabeleceu uma estratégia de indicação para a sua empresa? Se a resposta for negativa, está na hora de pensar nisso; afinal, o boca a boca é uma das ferramentas de marketing mais poderosas que existem. Aproveite todas as oportunidades para fazer com que as pessoas falem (bem) sobre seu trabalho. Ou seja, seu trabalho é bom. Logo, todo mundo precisa ficar sabendo disso.

      No final das contas, as pessoas tendem a gravitar em torno de quem compartilha da mesma opinião. Sendo assim, quem melhor para ajudar você a encontrar novas oportunidades de negócios do que alguém que já é seu cliente regular e satisfeito?

      É por isso que é importante pôr em prática uma estratégia de indicação para alavancar seus negócios com a ajuda dessas conexões existentes.

      Mas atenção: o produto final pode mudar de empresa para empresa! Por isso, desenvolva uma estratégia de indicação factível e escalável considerando os fatores a seguir.

      Timing

      Quando devo pedir ao meu cliente para me indicar? Existe um momento certo para isso? Bem, tudo depende do que faz mais sentido para o seu negócio. Existem três momentos possíveis:

      1. No meio do projeto: digamos que você forneceu ao seu cliente o protótipo funcional do novo site de e-commerce dele, e ele está muito satisfeito com o resultado. Você seguiu rigorosamente o cronograma de trabalho e entrou em contato constantemente com o cliente para garantir a conclusão do projeto. Você teve um bom relacionamento de trabalho até agora, então, por que não aproveitar a empolgação do seu cliente para pedir que ele indique você?
      2. No fim do projeto: ocorreram alguns contratempos, mas no final, deu tudo certo. O cliente ficou impressionado e fez elogios ao seu trabalho. Se você acha que conseguiu entregar o que o cliente queria e minimizou com sucesso os pontos críticos, então pense na possibilidade de pedir que ele indique a sua empresa à rede de contatos profissionais dele.
      3. No início de um novo projeto: você já concluiu um projeto com um cliente e ofereceu os produtos dele para outras empresas. Com base no que aprendeu com esse primeiro projeto, você adaptou seu fluxo de trabalho para realmente atender às necessidades do cliente. Agora, você já sabe como ele opera e reage. Em contrapartida, o cliente também entende melhor como você atua. Esse seria o momento perfeito para pedir que ele indique a sua empresa, uma vez que você já estabeleceu uma relação de trabalho produtiva com confiança mútua.

      Vale lembrar: você não precisa pedir a indicação de um cliente sempre no mesmo momento; tudo depende do relacionamento de vocês. Descubra o momento certo!

      Avalie sua capacidade produtiva

      Quantos novos clientes sua empresa pode assumir? Monitore seus projetos em andamento e os orçamentos recentes que aguardam aprovação para estimar quantas indicações são necessárias para manter (ou aumentar) sua receita mensal atual. Essas informações vão garantir que você consiga dar conta da demanda gerada pelo seu programa de indicações.

      Incentivos

      Você pretende oferecer algum tipo de recompensa a um cliente que indique novos negócios? Essa é uma questão importante que deve ser analisada, porque a quantidade de indicações não garante a qualidade (por exemplo, um cliente pode indicar qualquer um só para ganhar o bônus, em vez de pensar com calma em quem poderia ser um bom lead para você).

      Modelo de indicação

      Para facilitar para seus clientes a tarefa de fornecer indicações de alta qualidade, forneça um modelo básico de e-mail. Dessa forma, você garante o compartilhamento das informações corretas para posicionar seus serviços (e a qualidade deles) da melhor forma.

      Veja um exemplo que pode ser utilizado como ponto de partida:

      Oi ______,

      Recentemente, contratei (seu nome), um (sua profissão; por exemplo, web designer), para (resumo do objetivo do projeto). Ele me sugeriu (resumo do projeto), e eu fiquei muito satisfeito com a solução fornecida e a qualidade do trabalho, especialmente em (área em que o cliente forneceu um feedback positivo).

      Quando (seu nome) perguntou se eu conhecia alguém procurando por um profissional de web design e desenvolvimento web que seja (descrição do cliente ideal), eu me lembrei de você.

      Se você quiser um orçamento ou informações mais detalhadas, entre em contato com (seu nome e dados de contato). Eu recomendo o trabalho dele de olhos fechados!

      ATENÇÃO: No exemplo acima, as menções de “seu”, em parênteses, se referem a você e ao seu negócio, não ao seu cliente.

      Depoimentos

      Olha só: se você não pedir, nunca vai saber se um cliente está disposto a indicar seu trabalho. Então, não deixe de entrar em contato com seus melhores clientes; afinal, o “não” você já tem. E mesmo que eles queiram ajudar, talvez não conheçam ninguém no setor. Nesse caso, você pode pedir um depoimento e utilizá-lo como uma forma de prova social, o que vai fazer uma diferença bacana em seu site ou portfólio.

      Mantenha contato

      Independentemente da necessidade de uma indicação ou um depoimento, é extremamente importante manter boas relações de trabalho. Isso inclui dar retorno aos clientes rapidamente, procurar atender às necessidades deles e fazer tudo o que estiver ao seu alcance para garantir que eles fiquem satisfeitos.

      Aqui vai uma dica valiosa para alimentar seu funil de vendas: fique sempre em contato com os clientes. Se o seu ponto de contato em uma organização mudar de emprego, ele ou ela provavelmente vai recomendar sua empresa ao novo empregador se teve uma experiência profissional tranquila e agradável com você.

      Outras leituras relevantes:

      6. Aproveite o potencial do marketing de atração

      Talvez você já tenha tentado todas as opções acima: propostas comerciais, portais de emprego, cold pitching, eventos e indicações de clientes atuais. Mas não seria muito mais fácil se esses clientes potenciais viessem diretamente (e passivamente) até você?

      É por isso que o marketing de atração (ou inbound marketing) é importante para a sua empresa. Você provavelmente já está usando táticas de inbound marketing e tem uma base sólida como ponto de partida (para criar um blog, por exemplo). Então, arregace as mangas para atrair aqueles clientes de web design que você deseja!

      Comece (ou continue) um blog

      Fica a dica: não coloque a carroça à frente dos bois.

      Se você ainda não criou um blog para o seu negócio, dedique algum tempo para identificar e escrever sobre o seu nicho. Assim, você não apenas começa a se posicionar como um formador de opiniões em sua área de atuação (apoiado em sua incrível habilidade como palestrante, como já falamos acima), mas também passa a contar com uma plataforma para pôr em prática suas iniciativas de marketing de atração.

      Você ainda não está convencido de que vale a pena investir tempo, esforço e recursos para manter um blog no site da sua empresa? Dê uma olhada nos motivos a seguir.

      Otimização do mecanismo de pesquisa (SEO) 

      Você já deve ter lido a respeito de SEO (Seargh Engine Optimization) na internet e talvez já até tenha usado SEO em alguma ação.

      Você quer que sua empresa seja reconhecida pelo Google como a melhor opção para clientes potenciais de web design.

      Você quer ser o número 1... ou pelo menos, estar nos primeiros resultados de uma pesquisa orgânica.

      Com um blog, você gradualmente cria essa influência e faz com que sua empresa tenha a oportunidade de se classificar com palavras-chave mais diversificadas e intimamente relacionadas, sem recorrer a táticas enganosas de SEO, como keyword stuffing  uma prática que consiste em incluir palavras-chave em excesso no texto (muitas vezes descontextualizadas) com o objetivo de melhorar o posicionamento do seu site e gerar tráfego. Isto é uma técnica desonesta (por favor, nunca faça isso).

      Já que estamos falando no assunto, aqui vai uma dica rápida para se dar bem com um blog: faça pesquisas regulares de palavras-chave para perceber de que forma é possível expandir seu público-alvo e atrair novos clientes de web design para seu site. 

      Faça pesquisas regulares de palavras-chave para perceber de que forma é possível expandir seu público e atrair novos clientes de web design para seu site.

      Dois dos melhores sites para se fazer isso são o Moz e o SEMRush. Ambos cobram uma taxa de inscrição, mas vale a pena o investimento para simplificar o processo de pesquisa. Se você estiver procurando por um recurso gratuito, confira o Planejador de palavras-chave do Google. 

      Leia também: SEO para e-commerce: como encontrar as melhores palavras-chave

      Defina seu nicho

      Hospedar um blog no site de sua empresa também permite que você defina um nicho, ou seja, a área de especialidade que o diferencia de seus concorrentes.

      Essa diferenciação costuma ser o segmento em que você atua. Por exemplo, sua empresa pode se especializar em web design e desenvolvimento web para a mercado da moda, adquirindo um grande know-how sobre os desejos e necessidades desse segmento específico e dos públicos respectivos.

      Ou talvez você seja o único negócio de e-commerce em sua região. Assim, se um cliente de web design potencial estiver procurando uma solução para e-commerce, você será o alvo de todas as suas necessidades de desenvolvimento de temas/aplicativos.

      A escolha de um nicho ajuda você não apenas a ser mais bem-sucedido em suas práticas de SEO, mas também a determinar o tipo de cliente que você deseja atrair e o conteúdo que você decide publicar em seu blog. Dessa forma, fica mais fácil pensar em tópicos de interesse para seu público e pré-qualificar seus clientes potenciais de web design.

      Conquiste seu público

      Depois de ter um nicho, você vai estabelecer um público-alvo que reaja a esse nicho.

      Retomando nosso exemplo de moda, se você começar a produzir conteúdo que aborda os pontos críticos e as oportunidades encontradas no web design para o mercado fashion, você provavelmente vai conquistar um público potencial que produz e consome moda e que deverá seguir seu blog para obter mais conselhos.

      Disponibilize conteúdo para download

      Então, como você vai converter esse novo público?

      Durante o processo, talvez você identifique pontos críticos comuns que ocorrem com os diversos clientes ou nos diferentes projetos. Ou talvez você tenha de responder algumas perguntas com mais frequência do que outras e encontrar soluções semelhantes para vários clientes.

      Anote e guarde bem todas essas informações relevantes, porque elas vão ajudar sua empresa a criar conteúdo valioso: guias, modelos e outros recursos que os clientes atuais e potenciais podem baixar em troca de algumas informações básicas (incluindo seus endereços de e-mail). O conteúdo pode ser completo ou resumido, desde que ofereça valor aos futuros clientes e tenha como objetivo resolver um problema.

      Tenha em mente que o seu blog e o conteúdo disponibilizado ao público tendem a atrair visitantes. A partir daí, aproveite o conteúdo disponível para coletar e converter informações sobre esses visitantes e incentivá-los a se tornarem consumidores dos serviços de sua empresa.

      Leia também:

      Newsletter por e-mail

      Se você está produzindo conteúdo, seja para download ou na forma de posts, sua empresa deve criar uma newsletter por e-mail: é uma experiência que os clientes atuais e potenciais podem escolher participar, aprendendo de forma gradual sobre a sua área de especialidade.

      Além disso, também é muito fácil programar o envio automático de uma newsletter.

      Usando o seu feed RSS e um sistema de automação de e-mails, você pode agrupar artigos de blog em uma lista para a produção de uma newsletter diária, semanal ou mensal com envio por e-mail. Isso vai economizar tempo e recursos para sua empresa e fornecer conteúdo de grande interesse para os clientes atuais e futuros. Ao criar essa lista, você pode incluir conteúdo promocional e informações extras sobre seus serviços.

      Redes sociais

      Mesmo tendo organizado um conteúdo incrível que você pode usar para converter em leads quem acessa seu blog, é preciso pensar em como conseguir fazer isso.

      Além de SEO, você já considerou a possibilidade de usar as redes sociais para ampliar o alcance de seu blog?

      As redes sociais não apenas facilitam o engajamento do público, mas também são um canal útil para encorajar sua comunidade (de clientes ou profissionais alinhados com sua filosofia) a participar de discussões pertinentes ao setor e projetar sua marca além de seu domínio próprio (por exemplo, além do site de seu portfólio).

      Use ferramentas gratuitas de automação social, como o HooteSuite, o Buffer e o Tweetdeck para agendar postagens diárias nas rede sociais. Dessa forma, seus seguidores vão se lembrar de você primeiro e seus novos conteúdos vão estar sempre visíveis.

      Leia também: Marketing nas redes sociais para iniciantes: quais são as redes sociais mais indicadas para a sua marca?

      Outras leituras relevantes:

      Portfólio e estudos de caso

      O marketing de conteúdo é ótimo, mas seu portfólio é um dos seus recursos de marketing mais valiosos.

      É através dele que você pode exibir seu talento com o design e/ou o desenvolvimento web, atraindo o interesse de clientes potenciais a ponto de contratarem seus serviços.

      Além do mais, é uma área que pode ser otimizada para a coleta de informações valiosas de possíveis clientes.

      Para ajudar você com informações e dicas valiosíssimas sobre esse assunto, não deixe de ler o nosso e-book Prospecção de clientes: Construindo pilares sólidos para o seu negócio. Nele, nós explicamos detalhadamente como fazer um bom portfólio de web design e como torná-lo acessível aos seus futuros clientes. Aproveite as dicas para incrementar o site de seu portfólio atual e prepará-lo para as suas ações de inbound marketing!

       

      O e-book também apresenta muitas informações e dicas incríveis de como realizar estudos de caso, criar páginas de destino, encontrar o primeiro cliente e entrar para o ecossistema de Parceiros da Shopify.

      É como dizem por aí: por trás de todo bom portfólio existe um bom estudo de caso.

      Tudo bem, tudo bem: sabemos que o ditado não é bem assim, mas tem um fundo de verdade nessa afirmação. Juntamente com seu portfólio, seu site deve mostrar estudos de caso úteis, ​​baseados em dados.

      Esta é a prova tangível de que os clientes potenciais precisam para decidir contratar ou não a sua empresa. E, se for bem escrita (e otimizada para os motores de busca), esta página de destino pode ser uma mina de ouro de novos clientes.

      Mãos à obra!

      A melhor maneira de encontrar novos clientes para o seu negócio de web design vai depender de muitos fatores, mas principalmente do tempo e dos recursos disponíveis.

      Esperamos que este artigo tenha contribuído com novas ideias e opções a serem exploradas. Coloque em prática as táticas discutidas aqui e continue expandindo seus negócios de web design e desenvolvimento web.

      Qual é a sua maneira favorita de encontrar clientes de web design? Deixe seu comentário abaixo. Ou, se você está ansioso por mais recursos, confira outros artigos que escrevemos sobre como encontrar novos clientes.


      Which method is right for you?Sobre a autora

      Carolina Walliter é escritora, tradutora e intérprete de conferências e, em parceria com a Shopify, faz a curadoria e localização de conteúdo para o blog da Shopify em português do Brasil.

      Post original em inglês: Sara Chisholm

      Tradução e localização: Armando Silveiro

      Você tem dúvidas sobre a Shopify?

      Escreva um e-mail para a nossa equipe de atendimento em português!

      atendimento@shopify.com

      Tópicos: