Como vender arte na internet: guia completo

Como vender arte na internet: guia completo

Quando me formei na faculdade de Belas Artes há 15 anos, eu dominava as técnicas e as teorias de pintura – mas não sabia nada sobre gestão de empresas. Foi durante a graduação que realizei um projeto de um ano de duração, no qual era necessário criar um portfólio virtual; não era uma loja de e-commerce, mas sim uma página com algumas amostras do meu trabalho e minhas informações de contato.

Durante as primeiras semanas no mundo adulto dos graduados, aprendi uma dura lição: para ser bem-sucedida no mundo das artes, não basta ser uma boa artista. É necessário também ser uma empreendedora de sucesso. E logo ficou claro que o meu simplório site em Flash não daria conta desse recado.

Para ser bem-sucedida no mundo das artes, não basta ser uma boa artista. É necessário também ser uma empreendedora de sucesso.

Agora, é preciso lembrar que há 15 anos as plataformas de e-commerce não eram tão acessíveis como são hoje, e as redes sociais simplesmente não existiam. Para uma artista desconhecida como eu, o caminho para o sucesso tomava a forma de trabalhos esporádicos de publicidade para outras empresas.

No entanto, a possibilidade de vender a minha própria arte online mudou completamente o jogo.

A velha imagem do artista vivendo em miséria ficou no passado. O e-commerce e as redes sociais se tornaram canais extremamente úteis para aqueles artistas que buscam financiamento para seus projetos. Além disso, é por meio desses novos canais virtuais que nós, artistas, podemos criar e vender a nossa própria arte diretamente para os nossos públicos-alvo.

Essa modernização também foi proveitosa para as galerias. Hoje, os curadores podem não só representar um número muito maior de artistas, como também ampliar as tiragens de seus produtos para alcançar um público ainda maior.

Template Icon

Encontre um produto e comece a vender hoje mesmo!

Quer abrir uma loja virtual mas não sabe o que vender? Com a ajuda do nosso guia gratuito e completo, você encontrará produtos com grande potencial de vendas.

Baixar o guia grátis

Como vender suas obras de arte na internet

Já que a minha carreira de ilustradora durou apenas poucos meses, eu não perdi tempo e tratei de entrar em contato com dois usuários da Shopify – uma artista e um curador – que estavam usando a plataforma para comercializar seus projetos autorais.

Maria Qamar, também conhecida como Hatecopy, precisou abandonar a carreira de publicitária para focar em projetos pessoais quando as suas pinturas da Aunty, personagem pop art, começaram a atrair legiões de admiradores no Instagram.

foto: Maria Qamar via Instagram

Ken Harman é o curador responsável pelo império artístico Spoke Art – que conta com uma galeria em São Francisco, outra em Nova York, três lojas de e-commerce, uma loja de estampas e uma pequena manufatura para confecções próprias.

foto: Ken Harman, via Artistaday

Usaremos as histórias e experiências pessoais de Maria e de Ken como exemplos do que os artistas devem ou não devem fazer; além disso, os dois também compartilharão algumas dicas bastante úteis para aqueles artistas que querem vender seus projetos na internet.

É só um passatempo ou é um trabalho em tempo integral?

Hoje em dia, é comum que novos artistas consigam encontrar espaço nas redes sociais, acumulando um alto número de seguidores e compartilhando fotos e vídeos de seus trabalhos. Afinal, é dessa maneira que eles se relacionam com comunidades virtuais de artistas.

A Maria, por exemplo, decidiu seguir o seu sonho de se tornar uma artista em tempo integral depois de ser demitida do seu emprego na área de publicidade. Contudo, o sucesso não veio da noite para o dia. Enquanto ela trabalhava para aumentar seu número de seguidores no Instagram, precisou fazer alguns bicos para conseguir pagar as contas.

Hatecopy Instagram

“O começo é sempre mais difícil. No meu caso, eu não estava ganhando dinheiro algum com a minha arte. Por isso, fazia bicos aqui e ali.” – Maria

No entanto, a experiência da Maria com a área de publicidade a ensinou algumas habilidades comerciais que foram extremamente úteis para a criação da sua loja e o estabelecimento da sua imagem profissional enquanto artista.

💡 DICA: Aproveite para fazer novos contatos e realizar cursos de profissionalização enquanto você ainda possui um emprego fixo – e crie a sua empresa nas horas livres.

No entanto, largar tudo para o alto e começar do zero também é uma opção. O Ken, por exemplo, se viu obrigado a assinar um contrato de aluguel de dois anos para firmar o seu sonho de montar uma galeria. Essa aposta arriscada fez com que ele abandonasse seu emprego fixo de garçom poucos meses depois.

"Em 2010, eu fiz a curadoria para uma exibição de um artista australiano. Ele me enviou vários dos seus quadros e eu aluguei um local temporariamente. Ele comprou as passagens de avião, reservou o hotel... mas duas semanas antes da inauguração, o local que eu havia alugado fechou as portas. Isso foi bem antes desses espaços artísticos estarem em voga, e eu não consegui encontrar nenhum outro local que pudesse ceder um pequeno espaço para a exposição. Foi aí que eu encontrei um espaço abandonado, que costumava ser uma loja – era o lugar perfeito para a exposição, mas o dono do imóvel queria um contrato a longo prazo. Eu não tinha outra opção. Assinei.” – Ken

How to Sell Art Online

foto: Rob Williamson para a Spoke

Vender a sua própria arte ou vender projetos de outros artistas?

É possível que você não tenha o talento necessário para ser um artista, mas ainda assim queira fazer parte desse mundo. Não tem problema: você pode atuar como um curador ou marchand, vendendo o trabalho de outros profissionais. Afinal, é muito comum que artistas confiem o aspecto mais mercadológico da profissão aos agentes, galerias, curadores e outros.

Você pode, por exemplo, vender obras originais ou impressões, ou mesmo negociar os direitos autorais para que o trabalho original de um artista seja reproduzido em outros produtos. Nesses casos, o artista ganhará um valor fixo de acordo com o número de trabalhos vendidos.

"A prática mais comum é que as galerias ofereçam 50% do valor de consignação negociado por cada trabalho. O processo é o seguinte: o artista deixa os seus projetos conosco, nós fazemos o possível para vender tudo e, ao final, dividimos os lucros igualmente. Quando vendemos impressões ou estampas, produzimos tudo na nossa própria fábrica, situada na Califórnia – desse modo, podemos controlar o processo inteiro de fabricação, e dividimos igualmente os lucros com o artista.” – Ken

A Maria, por outro lado, tem a sua própria loja virtual – o que implica em eliminar o intermediário, reduzindo também os custos de produção e comercialização de seus produtos. Por esse motivo, Maria se viu obrigada a manter uma boa relação com galerias de renome, que exibem e vendem seus projetos.

A relação entre artistas e galerias é absolutamente essencial, já que é por meio dessas últimas que artistas como você poderão conquistar novos públicos. Além disso, as galerias estão cheias de funcionários que podem ajudar você a promover, organizar e enviar os seus projetos para os quatro cantos do mundo.

Devo vender arte original ou reproduções?

Não há como negar que projetos como esculturas, por exemplo, serão mais difíceis de serem reproduzidos ou utilizados em outros produtos (no entanto, há a possibilidade de usar uma impressora 3D ou então de firmar uma parceria com um fabricante de miniaturas e brinquedos). Contudo, a maioria dos meios tradicionais de divulgação e fabricação conta com várias opções para a geração de vendas ilimitadas de um único produto.

Veja abaixo algumas das principais opções:

Além de vender seus produtos numa loja virtual totalmente autônoma, Maria também colaborou com a empresa Nuvangoque começou na Shopify – na criação de uma coleção exclusiva de roupas. 

How to Sell Art Online

foto: Nuvango

Chegou a hora de montar a sua loja virtual

Caso você ainda não tenha uma loja virtual, a hora é agora: crie já a sua! Pode ir que eu espero. A Shopify até vai deixar você experimentar tudo por 14 dias, sem precisar pagar nada.


Você tem uma ideia de negócios?

Comece o seu teste grátis de 14 dias da Shopify hoje mesmo, sem precisar de cartão de crédito!


Quando chegar a hora de escolher o modelo para a sua loja virtual, lembre-se de que é importante usar um que deixe a sua arte se sobressair – nesse sentido, um modelo com grandes espaços para imagens e com fundos em tons mais claros é ideal para destacar as fotos. Também pode ser interessante incluir alguns apps para ajudar na parte de gestão; assim, você terá mais tempo livre para se concentrar no aspecto criativo da sua loja.

How to Sell Art Online

Hashimoto Contemporary

Sugestões de modelos para lojas de arte (lembre-se de que todos estão em inglês):

Apps que podem ajudar a administrar uma loja de arte:

Se você vende a sua arte no formato de estampas e outros produtos, apps como Kite, Gooten ou mesmo Printful podem ser aliados extremamente úteis: basta sincronizá-los com a sua loja e deixar que eles cuidem do processo de envio.

How to Sell Art Online

Exemplo de catálogo de produtos da Printful

“Eu uso um app para fazer a impressão e a entrega dos meus produtos. É bastante simples: eu só preciso fazer o upload do arquivo. O app faz todo o resto. Assim, posso me dedicar exclusivamente à criação e deixar as etapas de impressão, preparação e envio – que chegam a consumir até quatro horas do meu dia – com os robôs. Durante esse período de tempo, posso desenvolver novas estampas e conhecer pessoas do mundo da arte.” – Maria

Eu uso um app para fazer a impressão e a entrega dos meus produtos. É bastante simples: eu só preciso fazer o upload do arquivo. O app faz todo o resto.

Maria Qamar

Também recomendamos outros apps, como o Lookbook ou o Photo Gallery, para exibir trabalhos que estão esgotados. Por mais que você não possa comercializá-los, eles podem ser compilados em uma espécie de portfólio – que será visto por galerias e marchands interessados no seu trabalho e que precisam de uma amostra bastante completa dos seus talentos.

💡 DICA: Você pode usar as variantes da Shopify para indicar não apenas os tamanhos disponíveis de uma gravura ou impressão, mas também as opções de acabamento ou molduras disponíveis. As variantes podem ser editadas de modo a refletir preços exclusivos para cada público.

How to Sell Art Online

Spoke Art

Como fotografar e digitalizar arte

No fim das contas, não importa o tipo de produto que você está vendendo. O que importa é que você saiba fotografar e anunciar os seus produtos de maneira clara e precisa. Afinal, os clientes de lojas virtuais não podem experimentar os produtos – e é por isso mesmo que eles precisam de imagens claras e detalhadas.

“A verdade é que a imagem é tudo, especialmente quando se vende algo online. Se você projetar uma imagem ruim do seu trabalho, ela não estará representando bem a sua marca – e você terá dificuldades para conseguir vender.” – Ken

Não há dúvidas de que, de todos os produtos disponíveis no mercado, as obras de arte são umas das mais difíceis de serem fotografadas; quem nunca viu um cartão refletor gerar tons irregulares de cor? Se você possuir artes tridimensionais ou de grande porte, recomendamos a contratação de um serviço profissional de fotografias.

Contudo, em se tratando de trabalhos bidimensionais, Ken recomenda a digitalização como uma alternativa econômica e eficaz:

“A nossa fábrica conta com um estúdio de fotografia, mas vários artistas preferem digitalizar seus trabalhos – até porque muitos deles precisam dessas cópias digitalizadas para seus próprios portfólios. A maneira mais econômica de digitalizar uma obra de arte é adquirir um scanner e digitalizar a obra em partes, ou então contratar uma empresa especializada no serviço. Se você tem uma obra com muito brilho ou com uma alta camada de resina, a digitalização será um pouco mais complicada; para outros materiais, o processo é bastante simples.”

Helice Wen, via Spoke Art 

Edições limitadas e edições contínuas

Qualquer artista sabe que colocar a sua arte em uma camiseta ou em uma caneca implica em uma grande popularização daquele trabalho. No entanto, algumas galerias como a Spoke optaram por um modelo de edição limitada ao reproduzirem os trabalhos de seus artistas.

Essa atitude gera um efeito similar ao de uma oferta por tempo limitado, uma vez que cria uma sensação de escassez e urgência nos clientes – além de ser uma excelente tática de marketing. Contudo, Ken acredita que as edições limitadas são relevantes por um outro motivo:

"Nós damos duro para encontrar artes e projetos especiais – e coisas especiais merecem um tratamento diferenciado. Por mais que os lucros sejam maiores com edições contínuas e enormes, as edições limitadas ajudam a aumentar o valor das peças e obras”.

As edições limitadas ajudam a aumentar o valor das peças e obras.

Ken Harman

Mas as edições limitadas também têm seus pontos fracos.

“Várias obras que vendemos em nossas galerias são comercializadas por outros valores em outros mercados. É possível encontrar algumas delas sendo vendidas em sites como o Ebay ou o Mercado Livre – e por valores bem mais altos do que o original. Isso ocorre justamente porque a demanda é muito alta, mas é bastante desencorajador: no final do dia, parece que estamos perdendo clientes.” – Ken

Para remediar essa situação, a Spoke decidiu limitar o número de encomendas por cliente – e colocou os clientes desonestos em uma lista negra.

"A nossa prioridade é fazer com que os admiradores dessas obras possam comprá-las.” – Ken

How to Sell Art Online

The People's Print Shop 

Impressões e impressoras

O Brasil conta com várias empresas extremamente competentes na área de impressão de alta qualidade; além disso, você também pode disponibilizar algumas impressões já emolduradas – algo que pode ser útil para reduzir os custos se você mesmo fizer as molduras. Contudo, é importante lembrar que esse processo não é muito sustentável, e também não funciona em grandes escalas.

"Quando comecei a minha loja, eu imprimia, empacotava e enviava pessoalmente cada pôster que vendia. Fiz isso com os primeiros mil produtos que vendi: acordava todas as manhãs, ia até a loja de impressões, empacotava todos os produtos e ia até os correios. Até que uma hora o número de encomendas começou a ficar tão absurdamente grande que eu passava o dia inteiro fazendo isso – e não conseguia mais desenhar ou me dedicar a outros projetos artísticos. Eu passava meu dia inteiro entregando pedidos, indo de um lado para o outro.” – Maria

Se você quiser evitar o cansaço vivido por Maria, entre em contato com uma empresa especializada em impressões de obras de arte. Esse tipo de serviço permite imprimir os seus produtos em grandes quantidades e por preços interessantes, e pode ser um bom aliado caso você tenha planos para cuidar do envio dos produtos ou vendê-los em locais físicos.

Veja abaixo alguns exemplos de empresas que imprimem obras de arte:

💡 DICA: Se você quiser terceirizar totalmente o processo de impressão e envio, procure uma empresa de dropshipping. Elas são raras no Brasil, mas podem ser uma grande oportunidade de negócios para gráficas. Hoje, Maria usa o Printful para cuidar dessas etapas.

 

Hatecopy Prints

Exposições, mostras e outros eventos

Como Maria costuma trabalhar com frequência em meios mais tradicionais do mundo das artes, é comum que o impacto e a dimensão de seus trabalhos acabem distorcidos ao passarem para o mundo virtual.

“O meu trabalho tem uma dimensão física. É por isso que, nas minhas exibições, se sobressaem as habilidades técnicas que eu preciso usar para realizar as pinturas e construir as instalações em alta escala.” – Maria

Outra maneira de criar vínculos com fãs e possíveis clientes é levar a sua arte para o mundo real; desse modo, as experiências vividas nesses contextos físicos levarão as pessoas para a sua loja virtual.

Para fazer isso, você pode:

  • Conversar com uma galeria e firmar um acordo para a exibição dos seus projetos;
  • Encontrar uma feira de artes e artesanato e vender suas obras como expositor;
  • Consignar o seu trabalho e vendê-lo em lojas de presentes ou de roupas. Outra opção é vender a sua arte em parceria com essas lojas;
  • Abrir o seu estúdio para o público por ocasião do lançamento do seu site, ou então abri-lo semanalmente para visitas;
  • Elaborar uma loja temporária (faça isso com a ajuda de outros artistas para reduzir os custos do empreendimento).

How to Sell Art Online

foto: Spoke Art

💡 DICA: Use o Shopify PDV para vendas físicas e sincronize suas vendas.

Antes de abrir a sua própria galeria, Ken era um adepto das lojas temporárias. Essas lojas, também conhecidas como pop-up, ajudaram Ken a construir uma boa reputação dentro do mundo da arte – contudo, criar uma galeria inteiramente virtual nunca foi uma opção.

“É muito raro encontrar uma galeria de arte que funcione exclusivamente online. Isso não costuma ocorrer no nosso meio, justamente porque os clientes querem ver a arte pessoalmente. E os artistas, por sua vez, querem que as pessoas tenham esse contato físico com as obras.” – Ken

Como trabalhar com galerias

Se além de vender estampas e obras na sua própria loja você também quiser ser representado por uma galeria de arte, Ken tem algumas dicas:

  • CONHEÇA os perfis da galeria nas redes sociais: “Se você contar com mais seguidores do que a galeria – ou se a galeria não tiver muitos seguidores de uma maneira geral – talvez seja melhor pensar duas vezes antes de expor seus trabalhos lá”.
  • NÃO faça contato com a galeria por meio das redes sociais: “Você não faz ideia do número de pessoas que marca a nossa galeria em fotos ou que envia mensagens privadas falando sobre projetos artísticos. Por mais que sejamos ativos nas redes sociais, esse tipo de abordagem não é muito profissional.”
  • FAÇA O DEVER DE CASA e entre em contato apenas com as galerias que já trabalhem com o seu estilo de arte: “Um colecionador de obras impressionistas não vai querer comprar arte de rua.”

Um colecionador de obras impressionistas não vai querer comprar arte de rua.

Ken Harman

  • QUANTIDADE NEM SEMPRE É QUALIDADE: “É muito frustrante quando um artista quer chamar a nossa atenção em uma publicação do Instagram, mas acaba marcando vinte outras galerias junto.”
  • Envie uma mensagem personalizada em um E-MAIL PROFISSIONAL: “Tente descobrir o nome do diretor ou do curador da galeria e envie um e-mail personalizado. Isso chamará a nossa atenção.”

foto: Joe Russo para a Spoke

Preparar e enviar a sua arte

Se você decidiu controlar totalmente o processo de preparação e envio da sua arte, é importante redobrar a atenção.

Impressões e pôsteres, por exemplo, devem ser enviados em tubos de papelão; as impressões de pequeno porte, por outro lado, podem ser despachadas em envelopes de papelão. Use o papel do tipo glassine (resistente à agua e gordura) ou então papel celofane transparente para proteger a sua arte.

As obras emolduradas, por sua vez, requerem precauções adicionais. Se você pretende enviar obras dessa natureza, visite o site dos Correios – lá, há um guia bastante detalhado sobre como empacotar produtos frágeis. A uShip também tem uma seção dedicada ao envio de obras de arte.

How to Sell Art Online

foto: The Shopify Stockroom

Algumas leituras recomendadas sobre o tema:

"Há várias dicas e truques que ajudam a reduzir os custos do processo de envio. Por exemplo, enviar uma tela esticada (do modo como ela é exibida) é algo muito caro, especialmente no caso de telas muito grandes – então muitas vezes nós enrolamos a tela em um tubo e enviamos para o cliente. Isso reduz substancialmente o custo de envio e não danifica a obra.” – Ken

Faça um seguro para as suas obras

Lembre-se de fazer um seguro que cubra o envio de obras de arte originais, uma vez que elas não poderão ser substituídas com facilidade caso o pacote seja danificado.

Ainda que algumas seguradoras e transportadoras ofereçam seguro contra possíveis roubos e danos, é bom analisar as letras miúdas desses contratos para saber as limitações desses serviços. Para obras de altíssimo valor, Ken prefere passar longe do serviço tradicional de transporte:

“Quando se trata de uma obra avaliada em milhares de dólares, a coisa complica. O prejuízo que posso levar se algo acontecer a uma obra valiosa pode ser tão astronômico que às vezes vale mais a pena contratar um avião particular ou uma transportadora especializada em obras de arte.” – Ken

Plágio e direitos autorais

Quando uma gigante do vestuário roubou os desenhos originais de Tuesday Bassen, a jovem norte-americana decidiu contratar um advogado e levar o caso ao conhecimento do público.

Mas nem todos no mundo da arte pensam da mesma maneira. Maria e Ken, por exemplo, acreditam que o plágio é apenas uma das faces da moeda. Maria conta que houve uma vez em que decidiu tomar medidas legais para se proteger – mas rapidamente mudou de ideia:

“A verdade é que eu demorei a minha vida inteira para aprender a fazer a minha arte. Eu precisei de anos de prática, uma disciplina rígida, uma carreira na área de publicidade... Precisei até mesmo ficar desempregada. Tudo isso para me tornar a artista que sou. As habilidades técnicas que o ofício requer não podem ser ensinadas da noite para o dia. Se alguém está copiando o meu trabalho, eventualmente essa pessoa precisará aprender também a parte técnica – caso contrário ficará sem ideias. Além do mais, se eu não produzir nada, não haverá nada para ser copiado.

How to Sell Art Online

Hatecopy

Para Maria, o plágio também pode ser visto como algo positivo.

“Isso mostra que meu trabalho está inspirando outros artistas – afinal, se eles não gostassem do meu trabalho, não o copiariam. Hoje em dia, não me incomodo mais com isso.” – Maria

Isso mostra que meu trabalho está inspirando outros artistas – afinal, se eles não gostassem do meu trabalho, não o copiariam.

Maria Qamar

Mas, para galerias como a Spoke, que não só representam vários artistas mas também comercializam obras de arte virtualmente, o plágio é uma preocupação constante.

"Vários sites copiam os nossos produtos. A situação toda é muito desanimadora, e tem piorado nos últimos meses. Isso acontece em qualquer comércio – seja com uma loja que vende iPhones, roupas ou mesmo com um site que vende ingressos para shows. Infelizmente, é o jeito que a banda toca.” – Ken

💡 ATENÇÃO: Não se esqueça de que os artistas podem tomar medidas legais sempre que julgarem necessário. Se você for vítima de plágio, entre em contato com um advogado para proteger os seus direitos autorais o mais rápido possível.

O artista como empreendedor

Se você quiser ser um artista de sucesso, precisará lançar obras e produtos constantemente – essa é a única maneira de manter seus fãs e clientes. E Maria acredita que, para fazer isso, é necessário ter inspiração:

“A melhor coisa é ver o mundo com outros olhos. Assim, você criará novas opiniões sobre uma variedade de coisas. Eu adoro levar alguém que não é muito fã de arte para conhecer uma galeria, já que no fundo cada pessoa olha para a arte de uma maneira diferente. Também vou a todas as exposições que posso – o contato com outros artistas ajuda a abrir os olhos para outras perspectivas. Isso tudo fará com que você repense o seu próprio ponto de vista.”

foto: Vice

No fim das contas, todos os artistas possuem uma alma empreendedora; aceitar os aspectos logísticos da profissão é, portanto, essencial para o sucesso.

“Você até pode saber tudo sobre empreendedorismo e não conhecer nada de arte, mas é a combinação desses dois que traz o sucesso para uma loja, para um artista ou para uma marca. É por isso que eu sou obcecada por esse ofício. A criação é o equilíbrio, a harmonia necessária entre criatividade e empreendedorismo.” – Maria

É por isso que eu sou obcecada por esse ofício. A criação é o equilíbrio, a harmonia necessária entre criatividade e empreendedorismo.

@Hatecopy


Sobre a autora

Dayna Winter é escritora do blog da Shopify em inglês. Ela segue mais cachorros que seres humanos no Twitter e não é ruiva de verdade.

Post original em inglês: Dayana Winter

Tradução e localização: Marcela Lanius

Você tem dúvidas sobre a Shopify?

Escreva um e-mail para a nossa equipe de atendimento em português!

atendimento@shopify.com

Comece já o seu teste grátis de 14 dias.