A psicologia do medo no empreendedorismo

A psicologia do medo no empreendedorismo

the psychology of fear in entrepreneurship

Nó no estômago. O coração acelera à medida que você pensa em tudo de pior que pode acontecer.

Essas sensações têm um nome, medo, e nossos instintos gritam para que o evitemos a qualquer custo.

Por mais irracional e bobo que pareça nos outros, o medo é um personagem que temos que enfrentar frequentemente na vida.

Porém, artistas, empreendedores e ambiciosos são as pessoas que mais precisam aprender a viver com medo para ir além, justamente porque escolheram seguir caminhos e objetivos incertos.

No final das contas, o que mais assusta no medo não é o que ele nos faz sentir, mas como ele nos manipula a renegar as coisas que mais queremos na vida.

A compreensão do medo

Para muitos neurocientistas, medo é o estado fisiológico de um determinado circuito neural na amígdala que define a nossa resposta a ameaças.

Entretanto, a forma como experimentamos o medo é uma resposta emocional negativa ao perigo percebido, que nos afeta tanto física (aumento da frequência cardíaca e respiratória) quanto mentalmente (expectativa por um possível resultado indesejável). Em termos fisiológicos, o medo de falar em público é sentido de forma muito semelhante ao medo de ser atropelado.

O medo serve para nos proteger do perigo e preservar o nosso bem-estar.

No entanto, quando não está nos protegendo de fato, o medo vira um obstáculo. Em pesquisa recente (disponível apenas em inglês) realizada com os nossos leitores, o medo ficou apenas atrás de “conhecimentos sobre marketing” quando perguntamos o motivo que quase os impediu de emplacar a primeira venda bem-sucedida. Veja os resultados no gráfico abaixo (em inglês).

fear in entrepreneurship survey

Tinha medo de lançar o meu site, não sabia se ele estava ruim ou não.

Proprietário de loja anônimo

Os 5 tipos de medo

“Medo” é apenas a palavra que usamos para traduzir um sentimento que varia muito em intensidade, duração e irracionalidade, e que pode ser acionado por diversos gatilhos.

Para entendê-lo, vamos subdividi-lo nas cinco categorias descritas pelo Dr. Karl Albrecht no livro Inteligência prática:

  • Extinção: medo de não existir mais (morte), que dá margem ao medo de altura ou de voar.
  • Mutilação: medo de perder qualquer parte do corpo ou de ser fisicamente invadido ou ferido (inclui o medo de aranhas e objetos cortantes).
  • Perda de autonomia: medo de ficar desamparado por causa de restrições físicas ou sociais que fogem ao nosso controle. Exemplos: medo de espaços fechados ou mesmo de compromissos que fazem você se sentir aprisionado.
  • Separação: medo da rejeição e de ser indesejado ou desvalorizado por outros; um medo especialmente prejudicial, considerando que somos criaturas sociais que anseiam por estabelecer vínculos. Esse medo geralmente se manifesta como aquela voz na sua cabeça, que pergunta: “O que as pessoas vão pensar?”.
  • Morte do ego: medo de perder a identidade, de ter nossa autoconfiança destruída ou de questionar a nossa própria competência e compreensão de quem somos. Exemplos: medo do fracasso e vergonha.

Cada tipo de medo está relacionado às nossas necessidades humanas, mas as últimas três categorias talvez sejam as mais predominantes em aspirantes a empreendedores. 

Você tem medo de se comprometer com um novo empreendimento e, com isso, de perder a sua liberdade? Você teme que ser bem-sucedido envolva perder a vida que você leva hoje ou se distanciar do seu atual círculo de amigos e familiares? Você tem medo da vergonha que sentirá caso fracasse?

Só você tem a resposta para essas perguntas, afinal, o medo é algo muito pessoal. Embora a tendência para ser medroso ou ansioso possa ser genética, ela é acionada pelas experiências e ambientes em que vivemos (ou seja, fobias ou medos crônicos com gatilhos específicos).

No entanto, o medo também pode ser o elemento que define o que é um empreendedor.

O medo do fracasso como um aliado

Você provavelmente já ouviu falar da reação instintiva de lutar ou fugir, que nos acomete quando nos deparamos com uma situação estressante. Embora pareça que só existem duas soluções possíveis (enfrentar ou evitar), há uma terceira opção a qual recorremos algumas vezes: a inércia.

Em animais (os gambás, por exemplo), esse instinto pode ser justificado como uma forma de se “fingir de morto” em face ao perigo. Nos humanos, isso se traduz em inação ou indecisão, que pode ser confundida com a boa e velha procrastinação.

medo do fracasso surge nos empreendedores quando eles avaliam as ameaças em situações em que podem sair perdendo. Esses episódios ressuscitam a sensação de falhar ou as consequências acarretadas por equívocos passados.

No entanto, isso pode levar a uma das três reações abaixo:

  • Fugir: evitar enfrentar a situação.
  • Paralisar: travar e ser incapaz de agir (exemplos: não conseguir lançar um negócio, embora saibamos que ele está pronto para ser jogado para o mundo).
  • Lutar: abordar a ameaça de forma agressiva e lutar para controlar suas consequências.

Você se torna um empreendedor quando escolhe lutar, ou seja, quando busca assumir as rédeas do seu destino quando confrontado por uma perspectiva de fracasso.

Percebi que esse é um assunto recorrente nas conversas que tive com vários empreendedores. Eles muitas vezes experimentam um senso de urgência decorrente do medo: medo de ser o último a emplacar uma venda, medo de jogar fora todo o esforço investido ao desistir, medo de não conseguir pagar as contas, medo de nunca atingir seu pleno potencial.

Para esses empreendedores, o medo não é mais um inimigo, mas um concorrente, que rouba suas horas de sono, mas que também o motiva a sair da cama todas as manhãs.

O medo do “sucesso” (sim, ele existe)

“Quanto mais medo tivermos de um trabalho ou missão, mais certeza temos de que devemos fazê-lo."
Steven Pressfield, A Guerra da Arte

O medo do fracasso faz todo sentido. Dá para entender por que alguém não quer errar e ficar mal na frente de todo mundo.

Porém, nunca falamos o suficiente sobre o medo do sucesso. Segundo dois estudos com jovens adultos realizados pelo Instituto Superior de Psicologia Aplicada de Portugal, boa parte desse receio vem da antecipação do desconforto e da mudança radical decorrentes do sucesso sem precedentes.

A simples perspectiva de passar por mudanças incômodas pode gerar ansiedade em pessoas determinadas, fazendo com que elas “desacelerem” a busca por suas conquistas.

Os estudos também revelaram que os níveis de ansiedade foram particularmente acentuados nos entrevistados de origens socioeconômicas desfavorecidas, que antecipam uma perda drástica de sua cultura e senso de comunidade com o advento do sucesso, ou que não sabem o que acontecerá com eles caso o sucesso os obrigue a deixar o papel que a sociedade sempre esperou que eles preenchessem.

O medo do desconhecido

Substitua o “Eu não sei” por “Eu ainda não sei”.

Mergulhar, fazer bungee jump, escalar montanhas... Qualquer um ficaria assustado de praticar essas atividades, exceto quem é profissional dessas áreas.

Isso se deve porque o profissional está familiarizado com os prós, contras e consequências do processo envolvido nessas atividades.

Nós desenvolvemos atitudes perante determinados objetos e atividades com base nas experiências que já tivemos com eles. Quando não há experiência anterior, só nos resta idealizar e, por vezes, quando o nível de desconhecimento sobre uma atividade é particularmente alto, nossa primeira reação é o medo e a aversão.

O empreendedorismo nos obriga a assumir funções que nem sempre nos caem bem.

Porém, é importante admitir o que você conhece e domina sem subestimar sua capacidade de aprender ou terceirizar o que você não sabe fazer. Afinal, quem veio antes de você provavelmente passou pelos mesmos problemas.

Nenhum negócio ou empreendimento bem-sucedido foi construído dentro de zonas de conforto.

O comediante que arranca gargalhadas e milhares de curtidas nas redes sociais teve que aprender a trabalhar com a publicidade paga do Facebook para aumentar seu alcance. O artesão que entende tudo de velas perfumadas teve que aprender um pouco sobre otimização da taxa de conversão. Ninguém é bom em tudo e isso não é um problema, já que os empreendedores vêm de todos os lugares e origens.

Vivemos em um mundo conectado pela internet, que se desenvolve ao ajudar cada vez mais pessoas a resolver seus problemas com plataformas como Quora, Reddit e os grupos do Facebook, sem contar o Google e o próprio blog da Shopify.

Template Icon

Encontre um produto e comece a vender hoje mesmo!

Quer abrir uma loja virtual, mas não sabe o que vender? Com a ajuda do nosso guia gratuito e completo, você encontrará produtos com grande potencial de vendas.

Baixar o guia grátis

 

Como lidar com o medo: respirar, meditar e seguir em frente

Ninguém é “destemido”. O ser humano aprende a lidar com seus medos até que eles deixem de incomodá-lo.

É muito mais fácil falar para alguém enfrentar os próprios medos do que realmente fazê-lo. O medo é uma resposta fisiológica e, por vezes, pode exigir um pouco mais que apenas a força de vontade para ser superado.

A respiração acelerada é um dos sintomas mais visíveis do medo. Cientistas descobriram que inalar rapidamente (que é o que fazemos quando nos sentimos coagidos) melhora a recuperação da memória e os tempos de resposta, que podem ser úteis quando nos deparamos com uma ameaça.

Mas quando não há ameaças plausíveis, podemos aproveitar a respiração consciente e profunda para dissolver o medo e a ansiedade. Essa técnica é o segredo da meditação mindfulness que, além de controlar a respiração, nos ajuda a encarar nossas emoções e pensamentos como experiências passageiras.

Aplicativos como o Headspace ou o Stop, Breathe, Think (gratuito) podem orientá-lo na prática da meditação mindfulness, ajudando você a desacelerar um pouco todos os dias ou sempre que precisar.

Do outro lado do medo

O medo é inerente ao empreendedorismo porque a incerteza, o risco e o destaque muitas vezes também o são.

Por outro lado, o medo também acende uma chama que alimenta as nossas ambições, como o medo do arrependimento, de uma vida mal vivida ou de um potencial subaproveitado. Não nego que o medo já me impediu de fazer algumas coisas, mas ele também me leva a realizar os meus maiores sonhos.

É interessante ver que todas as histórias dos empreendedores que entrevistei têm um ponto em comum. Antes de seus negócios deslancharem, todos se viram cara a cara com o mesmo dilema: de um lado, lá estavam eles. Do outro, tudo o que eles mais desejavam no mundo.


Você tem uma ideia de negócios?

Comece o seu teste grátis de 14 dias da Shopify hoje mesmo, sem precisar de cartão de crédito!


 


Which method is right for you?Sobre a autora

Gabriela Jungblut é editora-chefe do blog da Shopify em português, gestora de marketing de conteúdo para o mercado brasileiro, tradutora e intérprete de conferências.

Post original em inglês: Braveen Kumar

Tradução e localização: Carolina Walliter

Você tem dúvidas sobre a Shopify?

Escreva um e-mail para a nossa equipe de atendimento em português!

atendimento@shopify.com

Tópicos:

Comece já o seu teste grátis de 14 dias.