Blogs da Shopify

Mira certeira: público-alvo nas redes sociais

O marketing nas redes sociais pode ser um aliado para a expansão do seu negócio. Porém, sem uma estratégia, tal ferramenta pode virar um fardo, drenando os recursos mais preciosos para um empreendedor: tempo, dinheiro e energia.

Vamos seguir em frente na nossa série de artigos sobre estratégia de marketing nas redes sociais. Hoje vamos falar de alguém que você deve conhecer bem: o seu público-alvo.

Como identificar seu público-alvo

Seja nas redes ou fora do mundo virtual, qualquer ação de marketing começa com uma missão: entender o seu cliente ideal. Obter contexto detalhado sobre o seu público-alvo leva tempo, mas existem etapas que você pode percorrer desde já que vão ajudá-lo no início dessa missão.

Dedique-se a pesquisar sobre esse público-alvo: analise dados demográficos e psicográficos, além de padrões observáveis, que o ajudem a formar uma imagem mental de quem provavelmente comprará de você. Além de embasar a sua estratégia inicial, esse exercício também ajuda a desenvolver uma voz e um tom para a sua marca que combinem com o seu público-alvo.

Se o seu negócio tem um nicho específico (por exemplo, donos de gatos), esse processo será mais fácil do que se você estivesse tentando atrair um público mais abrangente (como fazem as marcas de telecomunicação e de companhias aéreas). Experimente circular pelos espaços que seus clientes em potencial frequentam, como os subreddits ou as sessões de comentários de blogs, para descobrir seus interesses.

Como uma das maiores redes sociais que existem, (logo, um verdadeiro banco de dados de mais de 2,3 bilhões de usuários ativos mensais), o Facebook também é um lugar ótimo para pesquisar público. Assim, dê uma olhada nas fanpages da concorrência, visite o perfil de seus seguidores engajados para entender melhor quem são e do que gostam.

Em seguida, junte todas as informações pesquisadas para criar o cliente ideal: sua buyer persona, quem provavelmente comprará na sua loja.

Não se preocupe em preencher todos os itens abaixo para montar sua buyer persona, mas procure descrever o máximo possível dessa imagem de cliente, pois ela é relevante para o seu negócio.

Localização: Onde os seus clientes ideais moram? Saber o país já ajuda, mas se você tem um negócio local ou quer atender uma determinada área, seja mais específico.

Idade: Qual é a faixa etária do seu cliente? Mantenha esse critério o mais abrangente possível, a não ser que você tenha certeza de que o seu cliente-alvo está em um determinado momento de vida.

Gênero: O seu cliente ideal se identifica com qual gênero? Dependendo da sua marca, essa informação pode ser irrelevante ou essencial.

Interesses: Quais são seus interesses/hobbies/paixões? Saber disso ajuda a desenvolver ideias de conteúdo e a segmentar o público-alvo (por exemplo, culinária, dança, ioga).

Profissão/Setor: Em qual setor eles trabalham? Quais cargos eles ocupam? Dependendo da sua marca, essa informação pode ser irrelevante ou essencial.

Nível de renda: Qual é o nível de renda dessa buyer persona? Seus clientes em potencial são mais inflexíveis em relação a preços ou estão dispostos a gastar mais dinheiro por produtos de excelência?

Estado civil: Eles são solteiros, comprometidos ou casados? Essa informação é relevante se você atua na indústria de casamentos, por exemplo.

Sites/apps favoritos: Quais tipos de sites eles favoritam? Eles pesquisam no Instagram ou no Pinterest diariamente? Existem apps específicos que eles não podem ficar sem?

Motivação de compra: Quais motivos essa pessoa teria para comprar seu produto? Ela quer ostentar um símbolo de status ou quer ter tempo para fazer exercícios, apesar da agenda lotada?

Preocupações de compra: Por que esse cliente ideal escolheria não comprar o seu produto? Ele está preocupado com a qualidade?

Outras informações: Tudo o mais que não foi contemplado nas outras categorias e vale a pena mencionar, como escolaridade, momento de vida (pais de primeira viagem), eventos que frequentam, etc.

O objetivo da buyer persona não é acertar em cheio, mas traçar o melhor palpite possível sobre o tipo de pessoa que seria mais fácil de converter em um cliente para chamar de seu.

Segue abaixo um exemplo de perfil que montei para uma loja virtual que vende tênis com LED. Depois de fazer uma pesquisa básica, cheguei à seguinte descrição de cliente:

  • Localização: Canadá/Estados Unidos
  • Idade: 18 a 34 anos
  • Gênero: Masculino e feminino (maioria feminina)
  • Interesses: Electronic Dance Music, festivais de música, dançar.
  • Profissão/Setor: N/A
  • Nível de renda: salário anual de 30 a 70 mil dólares
  • Estado civil: N/A
  • Sites/apps favoritos: EDMLife.com, Instagram, Facebook, Snapchat.
  • O que consome: Electronic Dance Music, memes, vídeos de coreografia.
  • Motivação de compra: Querem se destacar ao dançar e ao frequentar festivais de música. Gravar vídeos bacanas para publicar no YouTube e no Instagram.
  • Preocupações de compra: Qualidade do produto; curta duração da bateria; comprar o tamanho errado; falta de confiança como dançarino, receber o tênis a tempo de ir a um festival.
  • Outras informações: Tipos de evento que frequentam: festivais de música como Shambala e VELD.

DICA DE LEITURA: Confira aqui o primeiro artigo da série sobre estratégia de marketing nas redes sociais!

A maioria dessas características pode ser segmentada de forma direta ou indireta por meio de anúncios nas redes sociais, mas ter todas elas documentadas também ajuda a definir o tipo de conteúdo que eu posso compartilhar e qual voz devo usar.

Lembre-se de não ser rígido com a sua buyer persona! Afinal, todas essas características podem mudar, evoluir e se tornar mais precisas à medida que você põe a sua estratégia em prática e obtém feedback.

Vai que você se engana em uma suposição ou depois descobre que seus clientes têm outra característica em comum que jamais passou pela sua cabeça?

De todo modo, o marketing nas redes sociais é uma das melhores formas de descobrir quem são os seus clientes de verdade. Tudo o que você aprender nesse processo pode ser usado no plano geral do seu negócio, como, por exemplo, para definir os produtos que você lançará.

Você também pode ousar ainda mais, desenvolvendo diversos públicos ou “segmentos” para interagir, como pessoas que gostam de dar presentes, clientes que já compram da concorrência e influenciadores ou empresas com quem você quer se conectar.

No mais, ter pelo menos um público-alvo principal facilita na próxima etapa de construção da sua estratégia para redes sociais: saber o quê postar.

Vamos falar disso mais a fundo no próximo artigo da série sobre estratégia de marketing nas redes sociais, que chega aqui no blog na semana que vem. Até lá!

Foto: Burst


Você tem uma ideia de negócios?

Comece o seu teste grátis de 14 dias da Shopify hoje mesmo, sem precisar de cartão de crédito!


 

Which method is right for you?Sobre a autora

Gabriela Jungblut é editora-chefe do blog da Shopify em português, gestora de marketing de conteúdo para o mercado brasileiro, tradutora e intérprete de conferências.

Post original em inglês: Braveen Kumar

Tradução e localização: Carolina Walliter

Você tem dúvidas sobre a Shopify?

Escreva um e-mail para a nossa equipe de atendimento em português!

atendimento@shopify.com

Tópicos: