Marketing pessoal: como fazer seu personal branding sem se vender comercialmente

Marketing pessoal: como fazer seu personal branding sem se vender comercialmente

Personal Branding

As empresas possuem marcas e produtos também.

Porém, por algum motivo, muitos de nós não nos sentimos à vontade em desenvolver nossa marca própria através do marketing pessoal.

Talvez você tenha a sensação de que o marketing pessoal seja meio forçado. Ou você não quer se mostrar. Pode ser, ainda, que você sinta que está vendendo sua alma ou se gabando. 

Entretanto, o personal branding não é tão intenso quanto parece. O marketing pessoal é simplesmente o seguinte:  

Como empreendedor, realizador, criador (seja lá o que você for), sua empresa, seu ofício, sua arte (seja lá o que você cria) é uma extensão da sua pessoa e parte da história da sua vida.

Existe um motivo pelo qual as marcas mais bem conhecidas e definidas estão frequentemente associadas fortemente à reputação da pessoa por trás delas.

Bill Gates da Microsoft, Richard Branson da Virgin, Steve Jobs da Apple – esses empreendedores possuem marcas pessoais distintas que são inseparáveis das empresas que criaram.

A Tesla, principalmente, que já afirmou possuir um “orçamento de marketing de $0”, representa provavelmente apenas uma extensão da marca pessoal do visionário Elon Musk. Ou, então, pense na Martha Stewart, que construiu um império a partir do seu nome.

Esses empresários pegam tudo aquilo que os torna especial e o projetam de maneira consistente, autêntica e impactante.

Fundamentalmente, um personal branding eficaz significa:

  • Construir sua “credibilidade popular” para melhorar suas relações públicas e seu desenvolvimento de negócios.
  • Aproveitar sua rede de contatos para fazer suas ideias terem sucesso ou fazer suas primeiras vendas.
  • Ser autêntico para criar uma presença sustentável (fica cansativo fingir ser outra pessoa).
  • Dar uma cara e um nome real à sua empresa para obter mais confiança dos clientes.
  • Criar uma plataforma duradoura que você possa utilizar para compartilhar suas empreitadas passadas, presentes e futuras.

Veja algumas ideias para fortalecer sua própria marca pessoal.Foto: Burst

Mostre sua cara: ser ativo na internet é vantajoso

"Uma marca consiste em um conjunto de expectativas, memórias, histórias e relacionamentos que, em conjunto, são responsáveis pela decisão do consumidor de optar por um produto ou serviço e não outro." — Seth Godin

A força da sua marca não é necessariamente o número de seguidores que você tem, mas a soma de todas as suas atividades online. Sem dúvidas, trata-se de um mundo sobrecarregado, mas ações significativas geralmente podem se sobressair no meio da multidão.

Essas ações são os comentários que você deixa em artigos, suas interações no Twitter, as publicações que destacam suas opiniões e os estudos de caso sobre sua empresa.

Os empreendedores que se mantêm ativos online possuem uma vantagem devido à grande distorção na distribuição da participação online – a maioria das pessoas navega pela internet de forma passiva.

De fato, estima-se que 90% dos usuários da internet sejam "lurkers", que raramente contribuem com suas opiniões em comentários, conteúdos, análises, etc.

Pirâmide de Participação

Não é preciso conquistar prêmios ou ser um multimilionário para criar uma marca pessoal. Se você for ativo online, compartilhar suas opiniões e mantiver uma consistência, já estará à frente da maioria das pessoas na construção da sua marca.

Acerte sua história

"Todos nós somos necessariamente os heróis da história de nossas próprias vidas." — John Barth

Há muitos aspectos da sua marca que permanecem fora do seu controle, mas sua história é algo que você pode construir – algo que você pode controlar. É por isso que ela representa um ativo importante em qualquer press kit.

Um storytelling eficiente consiste na representação da mudança – trata-se de mostrar, e não contar, ao seu público como você foi do ponto A ao ponto B. 

Como qualquer história pessoal, a sua deve destacar sua motivação, suas raízes e seus objetivos. Basta apenas encontrar as partes que valem a pena mencionar, começando com uma análise sobre sua vida, com o objetivo de descobrir quem você é.

Por trás da Death Wish Coffee, por exemplo, existe a memorável história de Mike Brown, o proprietário de uma pequena cafeteria em Nova York que resolveu aceitar o desafio de criar o café mais forte do mundo, pois seus clientes mais aventureiros não paravam de solicitá-lo. 

Não tenha medo de começar do zero e contar ao mundo como você chegou onde está. Quanto maior o espaço que você criar entre o ponto A e o ponto B, maior o potencial que sua história tem para diferenciá-lo.

Afinal, quem não gosta de uma boa história?

Faça coisas e conte para as pessoas.

"As florestas seriam bastante silenciosas se apenas os pássaros mais afinados cantassem." — Henry Van Dyke

Começar uma empreitada e observar o progresso pode ser bastante solitário, pois a maior parte do trabalho é realizado nos bastidores.

"Faça coisas e conte às pessoas" não é apenas um dos valores fundamentais da Shopify, mas também um bom lembrete de que, em meio a tanta coisa, ninguém perceberá as coisas incríveis que você está fazendo – as coisas com as quais você se importa – se você não as compartilhar.

Seja dono das coisas que você faz. Senão, quem será?

Para muitos empreendedores, seus primeiros clientes são amigos e familiares. Você pode contar com as pessoas que gostam de você e apoiam o que você faz para ajudá-lo no empurrão inicial necessário para alavancar uma ideia.

Então, se um marco ou uma vitória forem importantes para você, conte isso para as pessoas – seja o lançamento da sua empresa, a conquista de um certo número de vendas, o compartilhamento de um artigo em que você tenha sido destacado ou algo bacana que um cliente tenha dito. 

Compartilhe partes da sua jornada à medida que elas ocorrem, e quem estiver interessado no desenrolar da sua história permanecerá atento. 

Divulgue sua história através de conteúdo

O marketing de conteúdo não é tão simples para qualquer marca. Porém, ele representa uma estratégia incrivelmente versátil para a construção de marcas personalizadas, enquanto você produz conteúdo com seu nome e realiza a curadoria de conteúdo para ser compartilhado.

O que você opta por compartilhar reflete sua personalidade e seus interesses, além de ajudá-lo a manter uma presença online ativa e autêntica.

Conte histórias, ensine o que você aprendeu ou compartilhe seus esforços para oferecer às pessoas algo interessante, educativo ou humanizado. Esse tipo de conteúdo possui bom desempenho.

Nem sempre é preciso escrever.

Você pode abrir um canal no YouTube, fazer contatos para participar de podcasts, realizar guest posts em outros blogs ou abrir o seu próprio, ter um bom perfil no LinkedIn, e em certos casos, até no Facebook.

As mesmas regras podem ser aplicadas ao marketing de conteúdo em geral: crie conteúdo interessante ao seu público, capture o interesse deles e conquiste mais atenção ao longo do tempo.Foto: Burst

Ser você mesmo x gerenciar sua imagem

"Você também é uma marca. Independentemente de saber disso ou não. E apesar de gostar disso ou não." — Marc Eckō

Podemos facilmente ficar inseguros sobre o que compartilhamos de nós mesmos, onde nós compartilhamos e com quem.

Não é à toa que muitos de nós publicamos coisas diferentes no LinkedIn do que aquilo que compartilhamos no Facebook. E não é por acaso que muitas pessoas se comportam de forma diferente no trabalho, em relação às outras partes de suas vidas.

Um estudo realizado pela Deloitte chegou a relatar que 61% dos participantes admitiram deixar uma grande parte de sua personalidade em casa antes de ir para o trabalho, uma clara indicação do quão protetores podemos ser com nossas marcas pessoais.

A gestão de impressão é aquilo que você faz para controlar e filtrar a forma como outras pessoas percebem sua marca pessoal. É fácil e compreensível tornar a privacidade um fator padrão durante sua presença online. Porém, isso não quer dizer que você esteja gerenciando a impressão causada; você a está mascarando.

Ao invés disso, eu lhe incentivo a selecionar alguns dos seus perfis sociais para torná-los públicos e fáceis de ser descobertos, além de compartilhar sua jornada de formas autênticas.

Muitas redes sociais até mesmo permitem que você escolha quais partes do seu perfil podem ser compartilhadas publicamente. O Facebook, por exemplo, permite que você mantenha “Seguidores” com uma visão mais limitada das suas atividades do que seus “Amigos”.

Configurações de Seguidores

O Snapchat também lhe permite publicar alguns snaps publicamente, enquanto que outros podem ser compartilhados de modo particular com contatos individuais.

Outras plataformas, como o LinkedIn, têm como objetivo ser mais públicas e profissionais, e devem ser otimizadas como destino para quem deseja aprender mais sobre sua carreira, entrar em contato ou fazer negócios com você. 

Considere a forma como você deseja configurar suas contas nas redes sociais, de modo a criar uma plataforma para compartilhar quem você é.

Faça parte de comunidades e mantenha presença entre os públicos certos

Suas ações tomadas online – deixar comentários, curtir posts, tweetar fotos – deixam uma pegada digital. E deixar suas pegadas nos locais certos pode ajudar eficazmente seus contatos com outras pessoas, aumentar o interesse pela sua empresa e atrair cliques ao seu site. 

Como parte dos seus esforços, busque ou crie comunidades as quais seu público-alvo costume frequentar. Por exemplo, Karen Kawallek, proprietária do Lake Providence Lodge Scented Wax Melts, construiu uma comunidade engajada em torno da sua cera caseira de depilação após investir algum tempo em um grupo semelhante e conhecer pessoas que compartilhavam sua paixão.

Lake Providence

Nem mesmo é preciso que isso seja feito online. Plataformas como o Sympla, entre outras, ajudam você a encontrar as melhores comunidades offline da sua cidade para participar de eventos de networking e eventos da sua área.

Lembre-se de ter como objetivo agregar valor a essas comunidades. As pessoas reconhecerão e até mesmo ficarão irritadas com autopromoções superficiais. Antes de publicar qualquer coisa, pergunte a si mesmo se você está abalando a integridade da comunidade ou suas regras.

Foque em agregar valor: ensinar, divertir, engajar e inspirar – sua reputação crescerá a partir daí.

Confira os grupos a seguir para aprender com empresários de personalidade semelhante, principalmente se você for um lojista da Shopify:
  • Lojas Shopify do Brasil (Grupo do Facebook para lojistas da Shopify)
  • Shopify Partners Brazil (Grupo do Facebook para parceiros da Shopify)
  • Shopify Forums (Fórum) 
  • Otimize os perfis das suas redes para sua marca pessoal

    Seu perfil ou biografia é onde você deve comunicar quem você é, o que faz e seus interesses. É também nesses locais que você pode inserir links para direcionar o interesse das pessoas por você à sua loja/blog/livro/landing page online.

    A força de uma boa biografia não deve ser menosprezada. É lá que sua pegada digital tem a chance de transformar cliques curiosos no seu perfil em uma exposição mais aprofundada à sua marca, em oportunidades de contato ou até mesmo em vendas.

    Veja a bio do Richard Branson no Twitter e a forma como ela não apenas captura sua personalidade e seus interesses, como também destaca o perfil da sua empresa no Twitter e um link para seu blog.

    Richard Branson Twitter

    Dica do Twitter: fixe um tweet estrategicamente no topo do seu perfil, e, então, interaja ativamente com outras contas. Utilize o Twitter Analytics para visualizar quais tweets geram cliques no perfil ao longo do tempo.

    Embora sua bio seja diferente dependendo do perfil, geralmente ela incluirá:

    • Seu nome (pois as pessoas poderão pesquisá-lo).
    • Empresas ou outras contas de redes sociais associadas à sua marca.
    • Uma bela foto de rosto.
    • Palavras-chave relevantes associadas ao que você faz.
    • Um tom que demonstre sua personalidade.
    • Um link estratégico ou chamada para ação (CTA) da sua escolha.
    Modelo simples de bio: Sou o [CARGO] da [EMPRESA]. Quando não estou [O QUE VOCÊ FAZ], [CURIOSIDADE DIVERTIDA SOBRE VOCÊ]. [CHAMADA PARA AÇÃO].

    O mundo é o seu palco

    Coisas incríveis acontecem quando você opta por “vestir” publicamente sua paixão e acaba sendo visto como um empreendedor, ou artista, ou o que quer que faça sua vida valer a pena.

    Todos nós temos uma voz, uma história e a oportunidade de construir uma plataforma.

    Lembre-se de que o mundo é um grande palco: você ficará sentado na platéia ou sairá dos bastidores e será ouvido? 

    Gostou do artigo ou tem algo mais a acrescentar? Deixe seus comentários abaixo.


    Which method is right for you?Sobre a autora

    Gabriela Jungblut é editora-chefe do blog da Shopify em português, gestora de marketing de conteúdo para o mercado brasileiro, tradutora e intérprete de conferências.

    Post original em inglês: Braveen Kumar

    Você tem dúvidas sobre a Shopify?

    Escreva um e-mail para a nossa equipe de atendimento em português!

    atendimento@shopify.com

    Tópicos:

    Comece já o seu teste grátis de 14 dias.